domingo, 31 de agosto de 2008

Cirurgias e afins

...e finalmente Marie Curie volta ao blog! Depois de uma semana complicada onde a minha vida virtual já era, (nem pergunte da vida pessoal!) estou aqui novamente!
Bem, procurando por uma boa idéia para postar aqui, eu e a Anna acabamos no papo cirurgia plástica! Gente, veja como mulher é fogo, eu queria ter os peitos dela, e vice-versa! (de um jeito heterossexual, gente!).

Peito pequeno, que dá pra usar frente única sem sutiã, gente, acho chique! Acho digno, haha! Muitas mulheres perdem a paciência nas academias e resolvem acabar logo com tudo: cirurgia já! Tira daqui, põe ali, estica, corta, que coisa!
Bem, além do medo de uma cirurgia, o que mais me inibe a fazer qualquer modificação é ver que, no fim, várias mulheres ou ficam descontentes ou volta tudo ao que era antes! Eu vou dar a minha opinião de cientista maluca, e a Anna pode me ajudar com algo mais humano, hehe!
Gente, as nossas células adiposas, as malditas, se proliferam até o fim da infância. Depois disso, as células ficam lá, são as mesmas até a gente morrer. Engordar ou emagrecer é encher ou esvaziar as malditas! É a famosa "tendência a engordar". A lipo tiraria essas células, daí a tendência diminui, certo? ERRADO! Olha só, quando a lipo acontece, há um estímulo pra que as células se multipliquem novamente, que nem gremilins! Daí há o risco de voltar tudo!

O piteco de Anna é bem vaselina.
O lado ruim de aderir à moda das cirurgias é nossa ilusão em relação aos resultados. Podemos criar fantasias de que nossa vida mudará por conta de seios maiores ou de menos gordura no corpo; o fato é que a vida continuará sendo praticamente a mesma e nada mudará magicamente. Outro ponto que deve receber uma reflexão especial são cirurgias de redução de estômago; elas necessitam de acompanhamento psicológico, no pré e pós operatório. Podem acontecer casos de "despersonalização", porque uma pessoa que passou a vida toda tendo sua identidade intimamente ligada ao peso pode não se reconhecer como si mesma ao perceber-se magra, e entrar em graves depressões.
É indispensável que a pessoa que deseja fazer a cirurgia se pergunte: faço isso por mim ou pelos outros? Se o desejo for de agradar aos outros, de estar na moda ou ser o estilo de mulher pregado pelas propagandas, querida, você tá precisando confiar mais no seu taco...
Agora, se o desejo de modificar alguma parte do corpo, seja ela qual for, estiver ligado com sua auto-estima, o papo é outro. Muitas mulheres deixam de sair de casa por sua aprência, escondem-se atrás de roupas largas, escondem as orelhas atrás do cabelo, passam horas na frente do espelho se torturando diariamente com mais e mais maquiagem pra "disfarçar" um nariz maior, uma boca fininha... quantas mulheres não passam o dia enfiadas em cintas, modeladores ruins de tirar e piores ainda na hora de serem colocados? Quanto sofrimento isso não causa?! Acho que se ELA sente essa necessidade, se o "problema" trás um sofrimento, ela deve sim procurar recursos para viver melhor, nem que seja uma cirurgia. Lembrando da importância de consultar uma equipe médica, e averiguar suas condições emocionais com um psicólogo.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Trecho cretino...

Não, não é uma frase! É um trecho cretino selecionado especialmente pra vocês!

"
- Olha, Guy... - começou Miranda.
- Sim? - disse ele.
- Dá pra você alcançar seu cu com o pau?

Guy sorriu maliciosamente. Depois chegou mais perto dela. Pousou a mão no ombro de Miranda.

- Mas é claro.
- Então sugiro que vá se foder! "

do livro: Sex and the City - Candace Bushnell
p.114

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Candy, Candy, Candy!

Olá pessoal! Apesar do sucesso das nossas Interpretações Cretinas, não poderíamos deixar de lado nosso puxa-saquismo estrangeiro, né? Pois bem, por isso prosseguimos com a original coluna de Traduções Cretinas, dessa vez contemplando ele, o lendário músico punk com manias estranhas, Iggy Pop!!!! Nessa música ele faz parceria com Kate Pierson do B-52’s... sucesso dos anos 80. Vamos à canção:

**** Por Andreas & Anna O. ****

(Iggy)
It's a rainy afternoon in 1990
The big city...geez, it's been 20 years!
Candy,
You were so fine

É uma tarde chuvosa em 1990
A grande cidade...puxa, já são 20 anos!
Docinho,
Você era tão bela

Docinho deve ser um amor antigo de Iggy. É, cara, há 20 anos atrás ela ERA tão “fine”. Melhor ficar só na saudade mesmo heheheehheh
Imagino que nesse momento o “candy” virou “naftaline” hahaha


Beautiful, beautiful girl from the north
You burned my heart with a flickering torch
I had a dream that no one else could see
You gave me love for free

Linda, linda garota do norte
Você incendiou meu coração com uma tocha chamejante
Eu tive um sonho que mais ninguém pôde ver
Você me amou sem interesse

Que intenso “incendiou meu coração”... uuuuuu... isso devia ser fogo de cana mesmo ahahahhahah. Diz a lenda que Candy é uma música dedicada a uma prostituta (mais uma música dedicada às primas). Então ocorreu o romance e ela liberava for free, né? Daí o cabra gamou!
Seria um caso de amor de pica da prima?? =O


Candy Candy Candy
I can't let you go
All my life you're haunting me
I loved you so
Candy Candy Candy
I can't let you go
Life is crazy
Candy baby

Docinho, docinho, docinho
Eu não posso deixar você partir
Toda minha vida você esteve me perseguindo
Eu te amei tanto
Docinho, docinho, docinho
Eu não posso deixar você partir
A vida é uma loucura
Docinho, meu benzinho

Mas, como toda história de amor tem um desfecho trágico, eles tiveram que se separar... nessas horas rolam pensamentos do tipo “nós fomos predestinados a isso”, “se for pra ficarmos juntos, nos encontraremos e ficaremos”. Na verdade, pensar dessa forma ajuda a criar a ilusão de reencontro tanto quanto a efetivar a separação em si.
Nossa... que profundo Anna... o caso é mais simples... as noites foram bem dadas... e 20 anos depois, ele deve estar sentindo falta dakele Iggyzão poderoso... acho que ele sente mais falta dele mesmo, do que da Candy =P


(Kate)
Yeah, well it hurt me real bad when you left
I'm glad you got out
But I miss you
I've had a hole in my heart
For so longI
've learned to fake it
And just smile along
Down on the street
Those men are all the same
I need a love
Not games
Not games

Sim, bem realmente me magoou muito quando você partiu
Embora eu tenha me conformado com a sua partida
Eu sinto muitas saudades suas
Eu tive um buraco no meu coração por muito tempo
Eu tenho aprendido a disfarçar e apenas sorrir
Pelas ruas
Aqueles homens são sempre os mesmos
Eu preciso de um amor
Não de jogos
Não de jogos

Bom, o carinha zarpou depois de usufruir do amor for free um tempo. Candy (ou Docinho, o que é pior?!) admite a falta do bofe, mas também expõe seu desejo de ter um amor (independente de ser ele ou não, qualquer coisa serve nessa hora... o conceito de “um amor” é bem vago).
Hum, os caras todos iguais e o desejo de um amor, not games paira no ar. Quem não quer? A gente, (momento reflexão), no fundo, no fundo tem uma Candy dizendo isso em nossa cabeça: Amor, não jogos e o aprendizado de simplesmente sorrir, ir disfarçando as coisas.

Um buraco formado pela falta do amor de pica?? Conheeeço esse buraco que ficou... hahaha precisa de um amor, está vendo?? Ela não quer mais só um amor de pica... acho


Candy Candy Candy
I can't let you go
All my life you're haunting me
I loved you so
Candy Candy Candy
I can't let you go
Life is crazy
I know baby
Candy baby

Docinho docinho docinho
Eu não posso deixar você partir
Toda minha vida você esteve me perseguindo
Eu te amo tanto
Docinho, docinho, docinho
Eu não posso deixar você partir
A vida é uma loucura
Eu sei benzinho

Docinho, meu benzinho

Iggy, arrependido, mistura passado e presente, e vive o arrependimento de ter deixado um grande amor. Talvez ele tivesse deixado de ser um grande amor se tivesse sido vivido. Coisa pra pensar...
Pois é... grande amor porque foi passado, platônico, interrompido... se tivesse com ela, provavelmente faria uma música “Candy, sua vaca velha” hahaha mas enfim, não podemos também descrer dos relacionamentos, né?
Ah, podemos...


Candy - Iggy Pop

créditos: http://letras.terra.com.br/iggy-pop/69965/

Homens... entre 20 e 30 anos

Apesar de alguns carinhas já terem escrito pro Divã reclamando que nós falamos mal demais de homem, que nós isso, nós aquilo... olha, eu não vou perder a deixa de falar de novo, tá? Se tem motivo, tô falando!!!!!!!!!

Então, se você é uma garota e passou dos vinte anos, vai se deparar com alguns problemas.

Entre 20 e 30 anos, os caras não sabem se são adultos ou adolescentes. A maioria ainda mora com os pais, então a coisa fica turbulenta na cabeça dos moçoilos. Ao mesmo tempo em que o carinha pretende “tornar-se homem”, construir impérios e dominar o mundo, só consegue concretizar tais feitos no playstation (se tiver um emprego é no playstation 3, vai). O.k., todo mundo tem o direito de sair, zuar, masssssss... são coisas como querer largar o trabalho pra se dedicar a uma banda de garagem e virar rock star do dia pra noite que nos fazem enxergar a postura teen do sujeito. Em contrapartida, pede sua mão (eca!), fala em comprar casa e construir família pelo menos uns bons anos antes de que isso tudo possa acontecer, uns booooons anos mesmo. Então, suponho que eles fiquem desorientados na linha do tempo, no relógio, na bússola, no calendário e na posição das três-marias e Ursa-Maior!

Concluindo: eles piram a tal ponto de oscilarem na escala evolutiva e nos deixam piradas com isso. Num momento são caras sérios, determinados, quase almofadinhas-chatos... ou começam a encarnar o pai, o homem sábio e tals. Logo mais, querem todas as miniaturas da Marvel nem que isso lhes custe o salário todo e o sangue! Torram a grana da condução em um show e saem praguejando contra o chefe opressor depois. É um tal de “manhê, esquenta meu leite?!”, alternado com momentos nos quais o lindíssimo vê crianças sorridentes e catarrentas na rua, olha pra sua cara e diz “logo teremos uma!” ... eu, hein...

Nas fotos, fazem a pose garoto-família, abraçam vó, tio bêbado, primo de terceiro grau cleptomaníaco, uma cooooisa asssim super homem-sério. Nas fotos subseqüentes, sai fazendo sinal de joinha. Em TODAS, insuportavelmente!

Enquanto a mãe mima, as pressões sociais são pra que o carinha se desenvolva e desabroche, conquiste cargos, vagas, grana e status. Na maioria das vezes não sabem o que querem, e não querem ter nem uma idéia aproximada disso. Mudam de opinião na velocidade da luz e ficam confusos com a mesma facilidade. Não é difícil escutar um deles dizendo que crescer é difícil, que querem voltar a ser criança ou que não sabem por que estão no mundo.

Transitam entre a monogamia apaixonada e a putaria sem freios; a pornografia escondida (afinal, isso é coisa de muleque novinho, né?!) , os porres escondidos da mãe para não decepcioná-la; querem fumar e participar de jogatinas, como os homens adultos dos filmes; querem o mundo, velocidade, emoção.... e uma vidinha pacata sendo chefes de uma família nuclear.

Homens... quem os entende?!

PS: estudos recentes tem provado que a adolescência, principalmente na ultima década, vem sido estendia até cerca dos 30 anos, o que não deixa minha teoria tão furada assim – eu acho. Garotos, não fiquem bravos, foi só um ensaio crítico (hahahahahaah) e bem-humorado sobre os homens nessa fase. Vai passar... ou melhor, depois piora!

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

No Luluzinha Camp...


Ta, eu sei que vocês estão curiosas e tudo mais, e que hoje é quarta e ainda não publicamos nada... heheheeheheh, massssss, antes tarde do que nunca!!! (essa foi cretina, eu sei).

O Luluzinha foi muuuuuuuito bom, de verdade. Como chegamos depois do almoço, supomos ter perdido a parte de debates do Lulu, mas chegamos numa hora boa, de um animadíssimo sorteeeeio. Enfim chegamos, e ao verem o nosso logo estampado no peito, logo fomos fotografadas e elogiadas! Tinha quem levou cartão do blog, fitinhas que nem aquelas de santinho da Bahia, adesivo, enfim, uma porção de meninas super criativas! E como nosso blog é rabudo e as blogueiras também, ganhamos duas mega-bolsas logo de cara! Sim, bolsas enoooooormes e lindas ;) Na verdade era pra gente ter ganhado mais coisas, mas o sorteio estipulava que não podia se ganhar mais de uma vez. (mas aquele gloss seria perfeito pra gente, né Anna?!)

Foram cerca de 130 mulheres, de blogs sobre mulheres (jura?!), meio ambiente, notícias, animais, enfim, tão plural quanto as mulheres que neles escreviam!

Gente, tinha brechó, manicure, comidas maravilhosas, bebida e vários laptops por todos os cantos, dando à blogosfera todos os updates do Luluzinha! E toca a colunista 1.0 aqui andando pra cima e pra baixo com um caderninho e caneta pegando toodos os endereços de blogs que nós conseguíamos!

Conversamos com muitas gurias, blogueiras paulistas e do país todo! Aliás, falamos pelos cotovelos e rimos mais ainda! Tiramos fotos, muuuuitas fotos (e muitas nas quais aparecemos caíram na rede... mas aí vocês fingem que isso não aconteceu ahahahahhah). Levei um treco de penas rosa-choque que fez um sucesso, principalmente porque toda mulher liberava a drag de dentro de si quando colocava esse trem no pescoço!

Trocamos endereços de blogs e vamos visitar todo mundo.!!! Aaaah, e no final lindos garçons usando coleiras (sim, coleiras!!) vieram nos servir champagne! Uma maravilhaaaaaaaa! Peçam depois para ver a foto da Anna segurando a coleira de uns dois rapazes, com aquela cara de “Luluzinha que nada! Vamos pro quarto!” Hahahaha! Tá, confesso que a colunista Marie aqui queria era tirar uma foto com os quatro rapazes de uma vez só!

Beijos a todas meninas que foram, e as leitoras de terras distantes que pretendemos conhecer também!!!!


segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Quer ser meu amigo?

Pois foi esse o convite que eu recebi!!!
Parece coisa das crianças na 1ª série fazendo seus primeiros contatos sociais ou coisa assim, pode até parecer pessoas inseguras tentando cravar laços, mas não, é a ex-namorada mandando convite no orkut!

Eu, na minha época de inocência juvenil (digamos que há uns meses atrás), ficava pensando porque os casais não conseguiam manter um vínculo de amizade após término de namoro e ainda acho que isso pode acorrer, mas há situações que não tem como.

Após eu terminar um namoro, que havia muita insegurança e ciumes da parte dela, que se disse muito mal e várias coisas para me balançar e me sentir culpado, após sairmos algumas vezes depois do fim e de uma tentativa de acharmos um meio-termo, ela se mostra como sempre, ciumenta, insegura, arranjando motivos para arrumar briga com coisas do orkut, implicando com outras mulheres sem nem as saber quem são, depois de já ter arrumado algumas encrencas com amigas minhas em época de namoro e mandar pra elas mensagens pouco simpáticas, ela aparece depois de uns 2 meses e diz "Não temos mais nada, vamos ser amigos?"

Pense bem Andreas, que mal há?
Bom... ela esteve TODOS os dias entre meus visitantes depois do término (há uns meses), ela conversa com algumas amigas minhas e sempre faz umas perguntas... lê coisas no meu perfil e acha que são pra ela e quer me adicionar aparentemente só pra ler aquilo que está bloqueado... hehe e então vem a pergunta, vamos ser amigos?

Quando nos falávamos por programas de mensagem instantânea (muito chick falar isso ao invés de falar MSN hehe) ela ou fazia charme, como se fosse a namorada apaixonada ou então arranjava 200 motivos pra ficar me criticando, jogando na minha cara a situação ruim que eu estava e tudo aquilo porque eu tinha terminado com ela e as vezes até me ofendendo (quando decidi a excluir de vez) e nunca uma conversa normal de amigos...

E o pedido no Orkut?? vamos ser amigos??

a resposta é clara...

Não!!


Espero que vocês não achem o Andreas muito chato ou implicante depois desse relato, juro que tenho motivos pra crer que teria mais "lamurias" do que "amizade" de fato...

Tá jururu?

Tem dias que acordamos contra nossa vontade, e vamos nos arrastando até o trabalho. O espelho zomba de nossas caras, a própria cara não contribui, amanhece inchada. Não há truque de revista (como aquele em que você joga água morna e água gelada) que tire de cima do seu pescoço a Trakinas que amanheceu no lugar da sua cara. O cabelo resolveu aderir à anarquia, tem vontade própria, você é a Medusa! Despontado, torto, surrealista, eis o formato do penteado. Pior ainda quando o resto do corpo incha: a calça não entra, você nota a leve barriguitcha que aparece saliente, simpática, quase rindo da sua cara... gordura maldita! Os pés inchados que fazem você mudar o plano de calçado... sim, o seu corpo está contra você! A guerra entre você e seu organismo não precisa contar necessariamente com todos esses itens, mas a presença de pelo menos um deles pode acabar com seu dia, fato. E o que fazer quando você acorda uma monstrinha? Um zumbi? Uma experiência 626?
Existem ainda os momentos nos quais mutações misteriosas ocorrem em nossos neurotransmissores / hormônios / ciclos (sim, a culpa é deles!!!) que, consequentemente afetam nosso humor.
Ás vezes o estado de jururu extremo possui um fator concreto (situação desagradável vivenciada na relação com outras pessoas), como brigas, discussões, vontade de sair na mão com alguém... porque viver em sociedade tem essas coisas! E, às vezes o fator concreto é tão mensurável que se apresenta em “adoráveis” números (contas pra pagar, salário recebido, orçamento de alguma coisa quebrada – porque sempre algo importante quebra na maré de zica - , juros, juros e mais juros.)

Algumas dicas pra dar um “up” na auto-estima foram listadas abaixo. Não sei se servem pra todas, mas não custa nada tentar, né?

(Não, não não, nada de passear em frete a uma obra pra receber cantada, por favor! )

* Uma coisa capaz de mudar o humor feminino é dar uma mexida nos cabelos, não interessando de qual intensidade ela seja; quando bem sucedida, é capaz de levantar a auto-estima siiiim! Portanto, um retoque na raiz pode te deixar radiante; aquele corte inovador é capaz de mudar sua auto-percepção nem que seja por um breve período de tempo (enquanto você ficar com cara de novidade).

* Compre roupas novas! Não estou pregando o consumismo nem nada do tipo, mas a questão é abandonar o visual bagaceira e partir pra uma posição diferente, dar uma renovada, comprar roupas que fujam do que comumente compraríamos, ousar! Porque a gente às vezes fica numa mesmice de vestes que por favor, né? Não é porque a roupa vai com tudo, é coringa e blá blá blá que você tem que ter trocentas peças iguais!É hora de fugir do basicão e procurar algo que seja bonito além de útil.

* Todo mundo tem algo em que é bom: algumas pessoas dançam maravilhosamente, outras cantam, já outras cozinham, outras pintam, costuram, plantam, escrevem, jogam futebol... então faça um programa infla-ego! Increva-se numa aula de alguma coisa que você manja com o propósito de aperfeiçoar-se... mas que aperfeiçoar-se nada! É pra você ser fodona naquilo mesmo, e ser reconhecida.

* Procure as pessoas que te amam! Nessas horas você só quer um abraço, não é? Nem que seja de um cara vestido de Teletubie... então corre pro colo daqueles amigos, da sua tia quituteira, do cachorro (não do homem cachorro, por favor...)! Sim, a estratégia de procurar essas pessoas é que não haverá rejeição em hipótese alguma! E você se sentirá mais segura.

* E falando em pessoas que amam... um carinho ajuda – e muito! Recorra ao namorado, marido, amante, trepê, pretê, step, ficante, casinho... o sentimento de ser cuidada (e se vier algo a mais, melhor ainda hahahahah!) é tão reconfortante quanto qualquer item da lista.

E eu vos digo que coisas simples assim têm o poder de transformar um dia ruim, o humor azedo e a cara feia de qualquer uma. Nada muito inovador, porque parece que receber cuidado (dos outros e de si mesma) desfaz os maiores bicos.

sábado, 23 de agosto de 2008

Casos no acaso!

-Bom vou contar uma estorinha, diga-se de passagem *veridica*.

Como todo bom conto de fadas a minha estorinha começa com o famoso
"Era uma vez"... uma menininha, bonitinha, arrumadinha, toda querida, toda cheia de si; ela era daquelas que passa a imagem de 'a bem resolvida', de que sabia o que queria, mas é tão novinha...
Bom, também havia um rapaz, mais velho , todo bonito também, mas esperto, possuía uma banda, tinha todas as menininhas conhecidas a seus pés, mas ele queria algo diferente...
Foi quando um acaso fez eles se conhecerem.. foi assim: estava ela sem nada o que fazer quando uma amigo a chamou pra dar uma volta, bater um papo, e nisso de papo vai e vem ... o celular desse amigo toca uma música que começa com "papararaparariparara"; ela ouve e fica curiosa, o amigo lhe mostra a musica inteira, e diz quem canta. Ela volta pra casa com a tal musica na cabeça e resolve jogar em um site de relacionamento o nome da banda na busca; nessa busca aparece o perfil desse garoto aplicado, bonito, charmoso. Ela como não é boba e gosta de coisas novas resolve se arriscar, envia um recado elogiando a musica do rapaz [não com muitas esperanças de que ele respondesse, pois o mesmo é lotado de atenção e deve ser dificil dar atenção á todas] pensava ela. MAS para sua surpresa, eis que acontece... o rapaz a responde na mesma hora, e não só responde como também adiciona! Conversa vai e conversa vem , foram para o msn; nisso as coisas foram se intensificando, as conversas foram ficando mais quentes e ela pensava [isso nao pode estar acontecendo! ], contava para as amigas que falavam *que tudo!*[mal sabiam elas]...as coisas foram cada vez mais se intensificando, partiram pro telefone, e mensagens no celular, tudo o que ela queria [ela materializou o príncipe encantado nesse rapaz...coitada!], ela já nao aguentava mais esperar para vê-lo, e eis que surge a grande oportunidade. Ela é responsavel por uma grande empresa, e nisso ficou responsável em selecionar e recrutar novos funcionarios para uma nova filial que coincidentemente é do ladinho da casa desse rapaz! Em um dia chuvoso, lá foi ela fazer esse trabalho, não se continha em pensar que estava tão próxima do seu *príncipe encantado*! Terminado o trabalho[um pouco depois da hora do almoço], ela resolve ir ao encontro dele, [sem ele saber disso] ela estava perto, tinha o endereço.. o que lhe impediria? Passou por um shopping, entrou no banheiro , fez todo aquele ritual de mulher pra colocar tudo no lugar: maquiagem, cabelo [que por sinal estava horrível , dia de chuva--], revisou tudo e foi. Chegou na rua dele, coração disparou, ela começou a pensar que era doida, que não deveria estar ali, mas ela queria tanto , e por fim pensou 'Já que eu estou aqui , não vou dar pra trás'. Certo! Respirou fundo, subiu no salto e foi, interfonou e o porteiro todo solicito perguntou em que apertamento era pra internofar e o nome da nossa menina. Ela com o coração na boca falou gaguejando todas as informações, e esperou. Passaram-se 5 minutos e o porteiro respondeu com a notícia de que não havia ninguém em casa; ela teve uma sensação de alívio misturada com decepção, nunca sentida antes *. MAS não pense que ela desistiu ali, ela estava obstinada,[hahaha] se refez dessa sensação e voltou-se para a rua , passando por um telefone e resolveu ligar pra ele. A conversa foi mais ou menos assim ...

'Clarinha: Guii?
Gui: Oiiie quem é?
Clarinha: é a Clarinha , onde você está?
Gui: Ah oiiee Clarinha , eu? tô no restaurante do meu pai por que?[ele ajuda no restaurante do pai, quando não está com a banda]
Clarinha:Ah, é que eu resolvi te fazer uma visita e você não tá em casa =/
Gui: O que? você tá na minha casa? MENTIRA.
Clarinha:Verdade,estou na porta do seu prédio , mas nao tem ninguém em casa=/
Gui: Mentira, entao o que tem na frente do meu predio?
Clarinha:Ah tem muita coisa Gui, mas tem 2 postos de gasolina na esquina , um de cada lado.
Gui: Não acreditooo , você ta mesmo na minha casa sua doida.
Clarinha: Ah, eu tava por perto e tinha o endereço. Você vai demorar?
Gui: Eu acho que vou demorar um pouco, meu pai saiu com o carro pra fazer umas compras , e eu tenho que fechar o restaurante.
Clarinha:Ah =/, então tá bom, eu vou embora então.
Gui: Nãão , me espera , eu sei que tá chovendo , mais você já ta ai . Eu vou tentar não demorar muito .
Clarinha: Ah não sei , tá chovendo . Ah, tudo bem [a vontade falou mais alto]. Eu vou tomar um café na padaria e te espero, tá?
Gui: Tá bom então , eu vou tentar ir o mais rápido possível.

*Eu vou encurtar a estoria se nao vai ficar muito grande* hahaha.
Gui chegou exatamente 1 hora e meia depois dessa ligação , Clarinha já tava com a bunda doendo na padaria , e as moças que serviam lá já estavam a olhando com cara feia. Bom, ele parou o carro e ligou pra ela ir lá fora. Tava chovendo, ela entrou direto no carro, olhou pra ele, viu nele tudo o que ela tinha sonhado...tudo tava perfeito, eles foram até no ensaio da banda dele juntos!Oh, ela se sentiu bem importante nessa hora. Depois do ensaio, da correria do dia , chegou a noite, e ele sugere tomar um vinho, comer no Mc e essas coisas... ela topa [tava topando tudo com o tal príncipe encantado]. Comeram primeiro, depois foram ao mercado comprar o vinho; saíram e foram procurar um lugar para tomar o vinho. Todos os lugares eram perigosos pra ficar no carro bebendo, de madrugada, nisso os dois concordaram , então eles pararam no estacionamento do prédio dele, altas horas, pouco movimento, luzes apagadas, vinho vai e vinho vem, e as coisas como previsto foram esquentando , esquentando... até que SIM , eles transaram , aham alí no estacionamento do prédio DELE, a coisa não poderia ser pior *pelo menos pra ela*, o carro é um lugar apertado, desconfortavél , não recomendado pra esse tipo de coisa. Aham , mas eles não pensaram nisso, foram logo consumando o fato , e ele não estava preocupado se estava tudo bem com ela , ele estava preocupado com o prazer DELE. Ele ao contrário dela não via ela como a princesa , mas sim como mais uma, mais uma fácil, e como ELA quem foi atrás dele, ele não poderia deixar passar. Pois bem, depois dessa decepção em que no meio do ato desconfortavel, horrivel e sem posição, as coisas não poderiam ficar pior, quando ela se dá conta de que o porteiro tá tendo acesso de camarote com direito a entrada vip, para a imagem da sua bunda no vidro do carro - e como se isso nao bastasse - toda vez que entrava um carro no estacionamento, as luzes se acendiam (como era uma sexta a noite , certa hora , MUITOS carros foram entrando) e ela tinha vontade de sair correndo dali.

Resumindo: ela teve uma baita decepção com o cara , com o sexo , e como as coisas aconteceram.
Hoje ela ri dessa estoria, mas já se arrependeu bastante por ela. Como era mais do que esperado , o cara sumiu depois disso, e ela ficou mais decepcionada ainda... e ficou se achando fácil , se culpando, pelo prazer obtido. O pior ainda não foi isso! Foi mesmo depois de tudo isso, ela continuar gostando dele; mas tendo que esquecê-lo por que ela sabia: ele não prestava, ou pelo menos não pra ela.
Eles se falaram algumas vezes depois, mas nada como antes.
O porteiro, quando eles estavam saindo, na hora de abrir o portao do prédio, olhou bem pra eles , e deu aquela risadinha de *muito obrigado por ter me porporcionado uma gozada com um filme pornô ao vivo*.
O vinho não era tão bom .
E ela ainda pensa nele.

-E vocês? Já passaram por situações parecidas?
-Sexo no primeiro encontro vale? É facil? Não é? Pode ser levado a algo mais serio?
-Ela não presta por não ter se segurado no primeiro encontro?

-Gostaria muito de saber se alguém já teve estorias parecidas. Comentem por favor
ou mandem pro e-mail do blog.

hahaha*
espero que tenha sido no minimo divertido!

PS: os nomes foram alterados, para a integridade de ambos.

Um beijo charmoso da Marilyn ;)

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Mulher Casca Grossa

Você conhece aquela mulher séria? Aquela que fala firme, que não se deixa abalar no meio das pessoas, que não olha pro lado quando provocada na rua... A executiva, a professora, uma mulher esforçada, que sabe o que quer e busca. Ela que não tem medo de entender de assuntos que seriam masculinos antigamente, que adoooora futebol, que tem amigos homens e é respeitada no meio deles, a menina típica “casca grossa”.

Eu fico imaginando o que estará escondido por detrás dos pensamentos daquela guria? O que “esconde” uma mulher casca grossa?

Entrando em contato com gurias assim, começo a perceber aos poucos, que por debaixo daquela casca, está uma guria sensível, que fica vermelha quando ouve um elogio, que suspira nos cantos quando se percebe apaixonada, que tem sonhos, de carreira, sim... mas de romances, de um príncipe que a tire de sua rotina, de um homem que de cor ao seu mundo, de passeios românticos, de ser tratada como uma mulherzinha frágil e doce, sim, as cascas grossas podem não parecer, mas elas tem uma mulher, como outra qualquer, com incertezas, inseguranças, desejos, sonhos, vontades, limites, tudo lá dentro, escondidinho em seu coração. Coisas que só podem ser percebidas se você parar com calma, e lhe olhar no fundo dos olhos, lhe segurar a mão com ternura e a perceber como a mulher que é, despindo-lhe toda a casca grossa que ela mantém para se proteger, para tentar não tanto sofrer, casca grossa que ali está, mas poderá não estar mais, se alguém souber lidar com ela.

Yes, nós temos camisetas!!

Devido ao evento do Luluzinha camp, que será realizado neste sábado!! (maiores informações no link), nós resolvemos fazer uma camiseta do Divã, para melhor sermos identificados e pra fazer uma coisa bacana!!!
A foto é só pra vocês verem o modelo da camiseta, como ficou... Por enquanto fizemos apenas 2 exemplares, como "teste", mas estamos pensando em fazer uma quantia um pouco maior depois, e poderemos disponibilizar para quem queira uma também, o que vocês acham da idéia? Se algumas pessoas se mostrarem interessadas em adqurir um "souvenir" do divã, ficaremos muito felizes!Acho que esse post foi só pra isso mesmo, mas é muito estranho para o Sr. Andreas escrever pouco... um dia eu aprendo, prometo que aprendo!!!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Frases - pt nem sei qual mais






Resolvi apoiar a sessão de frases da Tia Black Cat
E aqui estou postando uma frase que achei no site:
http://www.osvigaristas.com.br/frases/feministas/

e simplesmente adoreiii!

Gente pode até parecer que sim, mas eu nao tenho nada contra os homens nao viu? É só brincadeirinha... rsrs

Deus criou primeiro os homens do que a mulher porque experiências são feitas primeiro em ratos e somente depois em seres humanos


Não preciso nem comentar néh?

Kisses cheios de charme


Case-se comigo!

Hoje é dia de mais uma INTERPRETAÇÃO CRETINA!! Dessa vez, com uma música da Isabella Taviani que fala sobre um pedido de casamento. Siiiim, um momento tão esperado pra umas e extremamente aversivo pra outras moçoilas! Como duas colunistas (eu e Anna OH!) temos opiniões bem distintas sobre “a coisa”, resolvemos interpretar a música juntas, mas cada uma a seu modo. Qual tem razão nós não sabemos, mas que o tema desperta um turbilhão de sentimentos, aaaah, isso é verdade.

Eu pensei em comprar algumas flores
Só pra chamar mais atenção

Anna: Pera lá... quem foi que encasquetou que todas nós gostamos de flores? Hum? Não generalize, meu caro... há garotas que não gostam. Alerta.


Eu sei, já não há mais razão pra solidão
Meu bem, eu tô pedindo a sua mão


Penélope: Concordo ficar sozinho pra quê? Nossa será que ainda existem caras assim? Que coisa romantica.

Anna: Pedir a mão? Poxa, eu acho breguinha, vai. Tipo aquela coisa: ajoelha, olha nos olhos, beija a mão, dá um anel com pedrona cara... não, não, obrigada.


Então case-se comigo numa noite de luar
Ou na manhã de um domingo a beira mar
Diga sim pra mim
Case-se comigo na igreja e no papel
Vestido branco com bouquet e lua de mel
Diga sim pra mim
Sim pra mim


Penélope: Sim, sim e sim . ta dificil ver isso viu... se aparecer pra você agarre com unhas e dentes (risos)

Anna: Podem me chamar de insensível, mas papel, lua-de-mel, vestido branco parecendo um abajour, “bouquet” (bouquet me lembra outra coisa, eu prefiro falar buquê)??? Socorroooooo!

Reparem que o sujeito é bem sovina: quer casar a céu aberto pra gastar menos; olho nele, guria!


Eu pensei em escrever alguns poemas
Só pra tocar seu coração
Eu sei, uma pitada de romance é bom
Meu bem, eu tô pedindo a sua mão

Penélope: Que fofo!! É um amante a moda antiga ....

Anna: Cara, eu vou vomitar... que melosooo! A música é linda, mas precisa ser água-com-açúcar assim?

Então case-se comigo numa noite de luar
Ou na manhã de um domingo a beira mar
Diga sim pra mim
Case-se comigo na igreja e no papel
Vestido branco com bouquet e lua de mel
Diga sim pra mim
Sim pra mim

Penélope: Tá bom pode parecer clichê pra caramba mas no fundo no fundo toda mulher sonha em encontrar um cara desses!

Anna: Você vai perceber que a próxima sugestão do mão-de-vaca é “eu quero uma casa no campo”, modesta. Com bichinhos e uma micro-plantação de alface que VOCÊ vai cultivar enquanto ele brinca de herói no meio do mato. Espera só...

Prometo sempre ser o seu abrigo
Na dor, o sofrimento é dividido
Lhe juro ser fiel ao nosso encontro

Anna: Lá vem o homem apaixonado, o famoso “promessinha”! Prometo que vou te amar, adorar, idolatrar, que vou te achar linda e maravilhosa sempre. Tá, e eu sou o Bozo.


Na alegria,a felicidade vem em dobro
Eu
comprei uma casinha tão modesta
Eu sei, você não liga pra essas coisas
Te darei toda a riqueza de uma vida
O meu amor

Penélope:Casinha modesta também não vale néh? Vixi to começando a sentir um pouquinho de falsidade aí... mas se for sincero ta valendo é lindo do mesmo jeito, será que o bofe da música é tao lindo quanto suas palavras?!?

Anna: O que eu disse???? Casinha modesta!!!! É pão-duro sim!!!Ainda alega que a felicidade compensa tudo, só o amor constrói e blá blá blá.

Garota, adere logo à lógica Material Girl da Madonna que sairás no lucro.

Então case-se comigo numa noite de luar
Ou na manhã de um domingo a beira mar
Diga sim pra mim
Case-se comigo na igreja e no papel
Vestido branco com bouquet e lua de mel
Diga sim pra mim
Sim pra mim

Anna: Eu digo não!!!!!

Depois da belíssima cerimônia, você é anexada a uma família geralmente comporta por uma sogra jararaca e demais membros pentelhos; a festa torrou todas suas economias que poderiam ser direcionadas pra um curso, um carro até!! E você gasta tudo com um bolo recheado de doce-de leite, empadinhas, coxinhas e outras “inhas” engorduradas para as quais sempre haverá uma turma de mocréias reclamando.

Case-se comigo
Case-se comigo
Case comigo meu amor
Case-se comigo
Case-se comigo
Case comigo meu amor

Penélope: Diz logo sim garota tá esperando o que? Um homem desse não costuma aparecer duas vezes na vida da gente. É lógico que o sentimento tem que ser recíproco, aiaiai que lindo viu se isso tudo acontecesse na realidade do dia a dia....

Diga sim pra mim – Isabella Taviani

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Deitando no divã: O que não fazer num começo de relacionamento

Terapeutas no caso: Anna Oh!, Andreas Ribeiro, Marie Curie.

“O que me leva a te escrever é a vontade de entender certas atitudes minhas e de uma outra pessoa, na verdade estou sentindo-me mal frente a esta situação.”
O Divã foi contactado! E estamos aqui pra ajudar! Vamos tentar dar uma resumida na história,preservando a história e a privacidade da pessoa! Vamos lá!

“Conheci Chico Bento* através de um site de relacionamentos (...),ele tem 40 anos, um libriano , pois bem nos conhecemos, ficamos pelos e-mails, passamos para o tel. ate que saímos, mas só fomos a um barzinho”

A leitora descreve o rapaz como uma pessoa divorciada, neurótico e cheio de contradições, de acordo com ela: “É ateu. mas diz que a mae esta no céu, e manda que eu durma com os anjos. Coerente isso ou sarcasmo?”
O rapaz foi traído, sofreu, se casou por 8 anos e se separou. Quando jovem era acima do peso, o que contribui pra ficar preocupado com a aparência até hoje. Sem pai conhecido, tem horror a filhos. Conversavam duas vezes por dia, tudo era lindo, até que chega aquele momento em que a vaca vai pro brejo.

“...até que um dia o telefone dele dele deu tilt, e saiu do ar, e eu pensei que ele havia desligado e então passei um e-mail para ele dizendo que ele não queria falar comigo, e ele disse que não era nada disso etc...
No outro dia liguei para o tel. dele e ele não atendeu por duas vezes, depois me ligou dizendo que estava trabalho, e que lá era impossível de falar, então perguntei se poderíamos falar a noite ele disse que não sabia, então fiquei encucada...”

A partir daí, nossa leitora passou a tentar falar com o rapaz por torpedo, ligando na casa dele e até que ele liga “...dizendo que eu estava com síndrome de perseguida, que isso o estava assustando, e que ele e impaciente, não tem paciência, e quando as coisas começam assim ele prefere se afastar. (...) No outro dia mandei flores para ele, me passou um e-mail agradecendo e dizendo que havia adorado, mas neste dia não consegui falar com ele, todos os telefones dele estavam desligados, no outro dia ele disse que estava na casa de uma amiga do trabalho. Mas ainda não pediu para eu me afastar.”

A leitora continuou nessa de tentar falar com o rapaz e ele, cada vez mais distante. Chegou a falar com a família dele, ficou brava por que o rapaz foi para a cidade em que ela mora e nem deu sinal de vida pra ela. “... só que antes dele viajar continuei ligando e ligando, pois nao aceitei o fato dele ter hiperdimensionado uma situação tão boba, e ele ficou mais puto ainda, disse que eu não estava respeitando o tempo que ele me pediu, que ele nem tinha viajado e eu já estava ligando, que era para eu deixá-lo em paz, dar um tempo para ele, que ele iria ver se conseguiria metabolizar toda a minha invasão, que eu deixava ele sempre com medo, receoso, que eu era muito ansiosa”.

“Outro aspecto que acho relevante e o fato de eu estar dando muita ênfase para ele, será que devido a ele ter uma auto-estima baixa, e eu estar procurando-o com esta intensidade não poderia estar de certa forma massageando o ego dele? E que se de repente eu ignorá-lo um pouco ele pode até sentir falta? Será que ele não quis ter filhos por causa da rejeição do pai ou porque é egocêntrico?
Nos conhecemos ha 1 mês. Amigos me dêem uma luz, vc acha que ele vai me perdoar, me procurar quando chegar de viagem?”

* Nomes e profissões foram modificados para preservar a identidade e nos divertir nas conversas do blog.


Bem, depois de um mês que eles se conheceram, percebemos que a leitora é demais. Amou demais, deu atenção demais, quis saber demais, desconfiou demais. Temos desses momentos, onde desconfiamos tanto por causa dos sofrimentos passados que acabamos nos sabotando em uma nova relação. Talvez o rapaz até estivesse afim, mas a calma aí é essencial. Do mesmo jeito que ela tem direito a desconfiar (não tanto, mas tem), ele também o tem. Afinal, se conheceram em um site de relacionamentos. O medo de ficar sozinha bate, mas mendigar amor é uma forma de, além d passar por cima do orgulho, passar por cima de limites... e no caso ela passou por cima de limites do cara. De vez em quando o telefone dá problema, e não é nada além disso. Homens em geral prezam seu espaço de trabalho, e são profissionais ao atender ao telefone, dando a impressão de serem frios. Logo, receber flores é algo que eles não querem de forma nenhuma no seu ambiente de trabalho! Eles são territorialistas e se assustam fácil diante dessas circunstâncias.
O que podemos dizer? Acontece minha querida leitora... de vez em quando erramos nas medidas, principalmente no início de um relacionamento, fase onde nos adaptamos ao outro, sentimos o terreno. Aconselhamos que você dê um ‘up’ na sua auto estima, aprenda o seu valor querida, pois assim você vai conseguir lidar com um homem que some ou um que fique pra sempre do seu lado. No começo ele até poderia sentir seu ego massageado (não é isso o que fazemos no começo de um caso?), mas quando sentiu sua privacidade violada, correu!
Não sabemos se ele vai entrar em contato... o melhor é esperar que ele entre em contato, espontaneamente. Mas pense em conhecer outras pessoas que estão mais próximas de você, a praticar um momento para você se sentir especial, segura, confiante!

Um pedacinho das nossas discussões no MSN pra provar que discutimos ferrenhamente o caso sim!

Anna O.: “...nem sempre o cara quer fugir dela.Pelo menos, no começo essa poderia não ser a intenção dele, mas conforme ela foi pressionando, ele tornou real o q ela procurava...” “...flor, nop. Se o cara mal atende o tel no trabalho, será q ele se sentiria bem recebendo flores?”

Andreas: “Então... dentro de um relacionamento, precisamos compreender o espaço do próximo...”

Marie: “...ela tem umas questões de confiança pra trabalhar mm...” “ok, eu acho que o maior problema é que ela se prendeu a cada afirmação do rapaz, levando tudo muito a sério, então, qualquer coisa que ela peque que é contraditório ela põe em xeque o rapaz.”

Gente, mais um caso que discutimos e esperamos não só ajudar à leitora, como a quem mais possa interessar o caso! Gostou? Não? Tem uma questão existencial também? Contacte o divã!




Ps: pra quem se lembra, a foto da Glenn Close tá aí do filme Atração Fatal, onde a mulher perde o controle e vai à luta para pegar o amante que é seu. Ou alguma coisa do gênero.

Cultura da Magreza


Como eu disse no post “do que os homens gostam”, vou abordar uma vertente que acredito que seja muito importante nesse tema, e uma importância que pra mim é quase social, pois esse é um assunto que tem muito a ser dito e creio que muito a ser mudado no comportamento humano atual.
Estou falando dos padrões de beleza que hoje são “ditados” pela mídia, que sempre variou entre as épocas e fases da história, mas da nossa fase contemporânea, eu chamo de “Cultura da Magreza”, ou seja, dentre tantos outros valores embutidos nos valores de beleza atual, está o de ser magro como uma necessidade básica, para as mulheres, pneuzinho aqui, um acúmulo de gordura ali ou qualquer coisa do gênero, é como se fosse o fim do mundo, mas será que é assim? Estou certo de quando lerem eu dizendo isso, claro que vão pensar “ué, mas é óbvio que isso é péssimo!”. Pois bem, pois agora eu volto ao tema, “do que os homens gostam”? Mais do que isso, ser sempre magra é bom para o que? Isso influencia aonde? Eu não sei, então eu vou falar sobre a questão de relacionamento homem-mulher e as inverdades implícitas nessa cultura ditatorial e as conseqüências negativas que podem ocasionar.

Dando a minha visão masculina e mais do que isso, a visão de muitos homens, pois nós conversamos queridas leitoras, e descobrimos os nossos gostos em comum e os que não são comuns e vejo como essa coisa da beleza estar nas mulheres magras é balela, alias, é muiiita balela, já cansei de ouvir comentários do tipo “aquela menina é bonita? Afff ela não tem nada” e endossando isso, vem aquela frase clássica “mulher tem que ter onde pegar”. Mas, se formos pensar, a beleza é totalmente subjetiva e está intrinsecamente ligada ao gosto pessoal e este gosto não é vinculado a padrões de beleza “comprados” pelos veículos de comunicação, não é uma questão das magras serem menos bonitas, ou das gordas serem mais bonitas, mas sim, do que cada mulher tem como sua beleza pessoal e o que cada homem gosta, pois nós não gostamos das mesmas coisas, já conheci gurias que pra mim eram um exemplo de beleza e que outros caras achavam “sem graça” e o inverso também já aconteceu.
Uma amiga minha uma vez me disse que se sentiu mal dentro da sala de aula, pois sempre se achava mais feia que as outras meninas, que eram “patricinhas, loirinhas, gostosinhas do cabelo liso” como ela disse, e ela era “morena, gordinha e do cabelo ruim”, quando eu ouvi aquilo vindo de uma menina que eu achava muito bonita, achei até por uns instantes que ela estava brincando, mas era sério, alias, muitooo sério, porque ela estava se deixando influenciar pelo modelo “malhação” e esquecendo das belezas de verdade. Agora vejam vocês, um caso como esses, uma menina pode ficar traumatizada por isso, se sentir mal, ter comportamentos depressivos, anti-sociais e uma porção de outras coisas negativas, e a troco de que? Eu respondo: A troco de valores sociais equivocadamente passados à diante. Uma menina bonita, inteligente pode ter problemas sérios pessoais por causa disso.
Antes que venha alguma guria aqui e diga “ahhhh, mas eu to cheinha mesmo” ou “ahhh, mas eu não sou bonita” eu respondo antes... besteira!!!
Se tem uma coisa que eu aprendi a duras penas, é que a beleza não pode ser medida, sofri por muitos anos por me considerar o cara mais feio do mundo, mas depois de alguns anos, eu percebo que eu posso ser a pessoa mais feia do mundo pra muita gente, pode ser pra muita gente messsmo, que seja, mas sei que sempre haverão pessoas que me acharão bonito, que dentre as minhas características e minhas “qualidades” encontrará algo de que gostam! Portanto, não podemos viver nessa mentira para nós mesmos que somos “isso ou aquilo”.

Pra terminar meu post, vou falar sobre aquele assunto que é o amigo e o inimigo das mulheres, da relação de amor e ódio com o que passa de solução pra problema num piscar d’olhos, os famosos Regimes!
É impressionante a quantidade de modalidades, jeitos e formas de se fazer um regime.
Da água, do biscoito, do chá, da sopa, dos carboidratos, dos peptídeos ou sei lá mais do que, surge pra cobrir todos os “gostos” e pra sempre as mulheres terem mais uma esperança, tendo em vista que, se eu não emagreci, é porque o regime da banana não era bom, mas agora eu farei o do espinafre refogado e minha vida vai ser outra. Talvez seja outra, porque as mulheres ficam por muitas vezes se alimentando mal, sem um acompanhamento de um nutricionista, não respeitando os valores do próprio corpo, não entendo os próprios limites e pondo em risco a própria saúde. Todos sabem que isso pode acarretar em coisas mais sérias, nas doenças que hoje em dia estão em alta, e até mesmo são “cultuadas” em alguns grupos, a Anorexia e a Bulimia! Quando eu digo para alguém que tem que ter cuidado com isso e tals, parece que eu estou fazendo “discurso de pai” e que isso não vai acontecer... mas isso vem acontecendo, muito, com muitas mulheres (e até entre homens isso está começando a surgir) e essas são doenças que tem como princípio, esse conceito da cultura da magreza, vejam se há casos de bulímicas em séculos passados, quando mulheres magras não eram muito conceituadas.
Dentre as meninas que eu vejo fazerem regime, pelo menos 80% eu digo que NÃO PRECISAM!! Mas quem sou eu pra dizer, não é? Claro que sim, cada um tem o direito de fazer aquilo que te fará se sentir mais à vontade, mas eu estou na posição daquele que vê a mulher e sua beleza, e aí eu afirmo que não precisa e daquele que está vendo os valores culturais implícitos nisso , portanto, meninas, antes de pensarem seriamente nisso e antes de se meterem nessa de “preciso emagrecer”, “preciso de um regime” e “nunca mais como aquele chocolate”, pensem seriamente do que vocês precisam mesmo, saibam valorizar a sua beleza natural, sem ter que forçar para engordar/emagrecer ou para ficar assim ou assada.

Do que vocês realmente precisam para ficarem bem? De um regime, de uma luta contra a balança só para poder mostrar à próxima que você pode ser magra? Ou de se valorizarem como são e poder mostrar suas belezas sem se envergonhar de nada, visto que não será passível de vergonha se você realmente crer nisso.

O Andreas fica por aqui e adorará ouvir a opinião feminina sobre o tema! Sintam-se à vontade de me criticar, se for o caso!

Beijos

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Futebol, programa de mulher?


Gente, vou contar pra vcs a minha experiência de repórter investigativa. Eu, são paulina até a alma (não vou falar são paulina roxa por que roxo é a cor da camisa do Corinthians), sempre acompanhei os jogos pela tv, participei da seleção do colégio e até hoje junto com uns amigos pra jogar uma bolinha!

Mas nunca fui em nenhum jogo em estádio. Sempre achei perigoso, fora que assistir em casa ou no bar com as pessoas é sempre uma desculpa pra socializar com os amiguinhos.

Até o fatídico sábado.

Prometi ao meu sobrinho de 14 anos que o levaria para o jogo do time q ele tanto ama, o Corinthians! Geente, aí na hora vem a mulherzinha de dentro de mim: O que vestir? O que levar? Ai, mas não é perigoso? E se fizer sol? E se chover? Gaah!

Bem, juntei minha bolsa e fomos. Logo na entrada, chega o guarda:

-Moça, não pode entrar com garrafa de água.

-Mas eu vou beber o que?

-É perigoso. Tem gente que joga nos jogadores.

-E barrinha de cereais?

-Tá, essa passa...

E entramos. O campo, enorme. Eu, míope. Via os jogadores super pequenininhos lá em baixo. Quando entrou o time adversário, fiquei tocada com o fato deles cumprimentarem os 50 torcedores deles que vieram! E morrendo de dó pelos pobrezinhos vaiados, tirei foto deles e ate dei tchauzinho! Meu primo ficava me zuando por causa disso, mas fiquei eu lá, linda e loira, aproveitando o jogo! Quando eu era criança, eu gostar de futebol era motivo pra ser chamada de moleque, de descuidada, até ouvi que futebol é coisa de menino, menina brinca é de boneca... mas eis que vejo muitas mulheres no estádio, poderia até falar q éramos 1/3 das pessoas lá! Todas comentando de igual pra igual com os homens, xingando a mãe do juiz e discutindo o gol impedido! Todas elas de óculos escuros, bonés, lindas! Gente! É fato! Pelo que eu pude tirar dessa tarde no estádio inimigo, a igualdade está chegando nesse imenso clube do bolinha! Pois é meninas, viemos para ficar. Se não pelo jogo (não são todas que gostam de futebol), fiquem pelas pernas dos jogadores, hahaha!


Ps: Depois disso, preciso ir URGENTEMENTE à um jogo do São Paulo. Cansei de ouvir q eu sou corinthiana, só não sei disso ainda... Alguém me acompanha?

Amor de Pica


Post feito por Anna O. & Dulce Herrera

Onde bate, fica? Pois é assim mesmo.
Vamos esmiuçar um pouco mais esse assunto. Toda mulher tem direito a dar amor pra pica que lhe for conveniente – direito universal!
Há um relacionamento, que pode ser sério ou casual, entre um homem e uma mulher que se dão muito bem na cama. A química é maravilhosa, o encaixe perfeito, ritmo, pele, tudo!
Mas.. o que caracteriza o amor de pica?
Primeiramente, é manter o relacionamento somente pelo sexo bom (ou excelente, diga-se de passagem), mesmo tendo motivos de sobra para romper.
Ouvi casos nos quais o cara agredia a mulher, ofendia, traía... todos esses “ias” absurdos eram suportados em prol daqueeeelas gozadas.
Vale a pena?
Amiga minha diz que sim. Outra, diz que não. Sei lá, cada um faz suas escolhas; o legal é ver pessoas admitindo que sim, mantém uma relação por sexo. Não são só os caras que fazem isso... Tem muitas mulheres que são adeptas a este tipo de amor!
Ela sabe que o cara não vale nada, é um canalha. Mas o cara tem A pegada!
E aí não tem jeito... Mesmo ela sabendo que no dia seguinte, ela vai chorar rios novamente, e com certeza vai sofrer o dobro de tudo que já sofreu, ela se rende... Ahh, vamos admitir que tem mesmo homens que são irresistíveis!
Pode ser um sorriso, a barba por fazer (eu e Anna O. que o diga!), uma voz rouca.
Realmente é verdade isso do “onde bate fica”, porque o encaixe é tão exato que parece que os corpos foram feitos sob medida um para o outro. A química rola tão forte que é algo que te domina e você não consegue pensar em mais nada. E você se sente muitas vezes a heroína daqueles livrinhos eróticos com nomes de mulher que são vendidos nas bancas, estilo Julia ou Sabrina. Parece que quanto pior as brigas, mais quente depois é a “reconciliação” – se é que vocês me entendem. O cara te pega de um jeito que não tem como você escapar... Porque, ele te conhece tão bem na cama, que sabe exatamente como fazer. Sabe o que você gosta de ouvir, sabe onde você gosta de ser tocada.
E aí, mais uma vez, você se rende ao amor de pica, mesmo sabendo que não devia (no caso dos cafajestes). E vamos combinar: todo cafajeste que se preze tem A pegada – do contrário, ele não conseguiria pegar todas e ser um cafajeste!!
Se vale pena, vai de cada um. Tem suas vantagens e desvantagens, assim como toda relação. Mas que vale a pena experimentar ao menos uma vez na vida, ahh isso vale!!


Recado da Duhl:
[EM OFF] ~> Gente, venho dar um recado a todos aqui...sei que não tem nada a ver com a temática do blog, mas é algo muito importante para mim, e para milhares de pessoas.
Dia 23, as 15:00 hrs na Av. Paulista, em Sampa, vai ter uma Marcha Mundial contra o fim do Rbd (a banda que surgiu da novela Rebelde). Vai acontecer no Brasil e em mais ou menos uns 15 países. É muito importante que todo mundo esteja lá!! Pois todos nós sabemos que essa decisão não foi tomada pelo Rbd, e sim por brigas internas da produção.
Dul Herrera, em nome das centenas de milhares de fãs do Rbd, agradece imensamente todos aqueles que puderem participar da marcha e que puderem recolher assinaturas (não esquecendo de recolher também o Rg das pessoas que assinarem).
I do Believe! Vamos salvar o Rbd!

Para saber mais clicke aqui e aqui

Amor de Perdição

“- Você, você é o primeiro e o único...”*



* Pois é, hoje eu disse isso...
(não, não foi pra um peguete!), foi...
pra um bombom Chandelle!


Juras de amor e auto-controle. Coisas que só a TPM faz.

domingo, 17 de agosto de 2008

Manual da Groupie - vol.1

Hey, girls! Antes de começar a dissertar sobre o Manual da Groupie, esclareço que toda e qualquer mulher tem direito a ser fã, tiete, chiliquenta por quem bem entender! E, apesar de a maioria das groupies ser novinha, de 10 a 22 anos, podemos ser groupies seeempre! Pra sempre! Minha mãe é groupie do Queen (sim, podemos ser groupies de falecidos), uma conhecida é do George Michael, meu tio é da Madonna; amiga minha, do Pearl Jam, e por aí vai...
Sobre minha experiência pessoal no assunto, foram anos namorando baixistas, guitarristas, bateiristas, tocadores de flauta, triângulo, reco-reco e tudo mais. Dos 13 aos 17 anos freqüentando shows cover e flertando com músicos; dos 17 em diante peregrinando em shows gratuitos e paquerando bastante. Freqüentei uma escola de música por 4 anos, nos quais eu fingia que tocava piano e cantava no coral. Cultivei amigos músicos, agüentei muitos caras aprendendo a tocar violão por revistinha e se mostrando realizados quando conseguiam tirar o comecinho de Stairway to heaven ou Come as you are. Além disso, fui assídua freqüentadora de um inferninho de rock que havia no ABC, compradora de camisetas de banda e adepta ao estilo roqueira pseudo-gótica por muitos anos.
Lápis preto nos olhos e vamos lá! Groupie que é groupie deve manjar daquilo que gosta. Portanto, o negócio é saber a história da banda, das músicas, dos músicos e saber as letras e traduções pelo menos. A internet ta aí pra isso...
Groupie que é groupie anda em bando, tem amigas groupies de um mesmo gênero musical; vestem-se de um modo parecido, mas com sutis diferenças... geralmente uma tem a cor do cabelo diferente da outra heehheeheheh.
Groupie que é groupie sabe conversar com os músicos! Puxa papo, ganha palheta/baqueta e até música dedicada a ela (eu já ganhei umas três!). Groupie tem conteúdo, viu?
Uma boa groupie escolhe seu alvo parecido com o ídolo que ela tem; exemplifiquemos: se a guria é groupie do Nirvana (era do que éramos groupies no meu tempo), óbvio que o garoto escolhido parecerá com o Kurt Cobain – o que não é lá muita vantagem, mas ta valendo.
Groupies agüentam firme em cima de seus coturnos/all star! Algumas aderem aos porres de Duelo, e sexo em camarins (minúsculos por sinal), beijação de bandas todas (bandas de uns 9 caras, tipo Titãs hahahaaah) e espancamento proposital de ooooutras groupies sob o pretexto de que – estavam dançando; -era um bate-cabeça inocente. Sei...
A groupie tem cds, empresta, faz um intercâmbio musical até com desconhecidos e, assim, faz novos contatos. A groupie do Led Zeppelin gama nas calças apertadas dos rapazes (uma d-e-l-í-c-i-a!) ; a groupie grunge, na camisa xadrez; as groupies emos, pelo que tenho explorado antropologicamente, pelo posicionamento da franja e all star converse do rapaz.
O mundo das groupies é maravilhoso; fazem amigas, amigos, exploram uma banda de cabo a rabo e ficam experts no assunto; são migrações constantes pra Galeria do Rock (aqui em SP), inferninhos com acústica terrível que deixam seus ouvidos zumbindo por uns 3 dias, paqueras musicalizados e bonitões.
O alerta é: um homem em cima de um palco (ainda que seja de um festival do colégio) se sente um Deus; portanto, não se submeta ao ego inflado do seu pretê-musical.
Ah, outra coisa: se você for promovida a namorada de músico... certamente será usada como roadie também!! heheheheheh

Ps: ainda não entendi seu meu texto é uma sátira ou um manual mesmo, mas tá valendo!

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Serial Lover


Sou uma mulher em abstinência; abri mão daquilo que me dava segurança, bons passeios e companhia... abri mão de namorar. Mas eu não namorava como as pessoas normais, arrumava um logo atrás do outro; nem bem o defunto tinha esfriado, e lá estava Anna O. passeando de mãos dadas com outro bofe no parque.
Daí você pergunta: e isso não é bom? É lógico que eu achava que era, até que um dia, depois de mais um rompimento e antes de ir para o próximo, veio uma choradeira, um estado confusional profuuundo. Como estava em terapia, resolvi contar minha novela mexicana.
Percebi que tinha um medo (medo não, pavor!) de ficar sozinha; percebi que muitas vezes namorava porque queria um pretexto pra não agüentar o clima de brigas que tinha em casa, percebi que namorava pra me sentir apoiada, desejada, me sentir pessoa. Carente? Hum, eu sempre fui, tanto qualquer ser de carne e osso. Acontece que eu deixava a carência me guiar, escolher por mim e me submeter às situações de falta de amor próprio que me submeti.
Não tinha espaço pra pensar: refletir sobre o fim de um, refletir sobre a minha vida... sequer eu parava pra pensar no que eu queria! E aí, meus caros, foi o momento de parar e tomar a decisão: preciso ficar sozinha.
No começo não foi fácil, aliás, era tudo tão tentador! Mas eu não queria repetir a história, namorar sério de novo logo após um fim. Tive lá meus peguetes, casinhos de uma, duas noites... casinhos mais extensos, mas nada sério.
Todas as sextas-feiras eram uma tortura pra mim: não teria ninguém com quem sair no fim-de-semana. Nos sábados, ficava vendo documentários em casa; nos domingos, lia o jornal de cabo a rabo, bebendo e sentada no chão.
Queria negar minha condição de sozinha; deixava a televisão ligada só pra escutar vozes, pra que o quarto não parecesse tão vazio. Gostava dos livros que faziam com que eu imaginasse cenários, cenários de locais distantes; chorava bastante, percebi o quanto eu andava dependente de ter alguém para me auto-afirmar, pra evitar olhar pra mim... pra minha condição de só (coisa que todos nós somos).
Hoje reconheço que sei lidar com isso, embora às vezes ainda me sinta perdida quando vejo que só posso contar comigo mesma. Aprendi a curtir minha solidão, a sair sozinha, a me divertir, a restabelecer o contato com amigos que eu tinha deixado pra lá, a olhar pras minhas necessidades, a me cuidar. Aprendi a gostar um pouco mais de mim, a me achar uma pessoa legal pra se passar o tempo, porque eu estava gostando da minha companhia (não é papo de doido, juro). Fui fortalecendo minha auto-estima com isso, sem precisar de bajulações alheias (recebendo-as às vezes, vai), mas ficando bem independente disso.
Pois bem, eis o caso de uma histérica, uma serial lover... que repetia a história até dizer chega e que tem conseguido se livrar desse karma.
Apesar disso, ainda fico um pouco vulnerável; as pessoas encaram a mulher sozinha com dó, pena... às vezes desdém; sugestionam que você tenha virado sapatão, tenha pego asco de homem; se você sai na noite, é uma puuuta galinha, qualquer amigo é empurrado como candidato a namorado. Mas que putaria é essa, eu não posso querer ficar sozinha? Eu não posso ser respeitada?
Acho que tive uma conquista... não a conquista de um flerte, mas a conquista de mim; eu sou meu território, entende?
Essa semana ouvi por acaso de um professor, uma coisa que eu precisava ouvir... precisava mesmo, porque às vezes repenso se estou em uma postura certa ou não. Ouvi que a gente só é capaz de amar o outro a partir do momento que sabemos ficar sozinhos, a lidar com a nossa solidão. Dialético, bonito. Acho que aprendi a ser só. Me resta aprender a amar. (Um dia, quem sabe...)
PS: desculpem pelo desabafo, mas não encontraria melhor ocasião para fazê-lo.

Feliz dia do solteiro!


Na minha super agenda descubro datas esdrúxulas, como o Dia do Aço e outras preciosidades. Mas vejam só,meus caros, que hoje é o dia do Solteiro! \o/

Viva a nós, pessoas marginalizadas nos dias dos namorados! Vamos comemorar com tudo o que temos direito! Bandeiras coloridas, promoções em restaurantes do tipo "vá sozinho ou com os amigos e ganhe uma garrafa de vinho", estréias de filmes em que finais românticos sejam abolidos, distribuição de camisinhas! É o dia pra lembrar das vantagens em se estar sozinha, sempre livre para os amigos e para possíveis pretês, de deixar os pombinhos morrendo de inveja com as festas e com a possibilidade de ficar com quem quiser sem compromisso! Solteiras sim, sozinhas, nunca! Mesmo que você seja que nem eu, que não está com essa bola toda de fazer fila de homens na sua porta, pode pensar que é melhor estar sozinha que mal acompanhada. Podemos gastar o tempo que daríamos para o outro par fazer de nós pessoas cada vez melhores. E que no final, vamos é juntar as amigas pra uma sessão de bebedeira e diversão sem ninguém reclamando da gente!Vamos esquecer por hoje toda a neurose, nada de pensar que vamos morrer sozinhas num casa com vários gatos. E vamos pra balada!

Ok, hoje também é o dia da Informática. Deixo a piada a cargo de vocês, hehe.

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Fake Love - Amor em On


Quem tem orkut, com certeza já esbarrou em um por ai, eles são milhões... os Fakes!
São aqueles perfis com foto de famosos (principalmente de Rbd), como fotos (lindas por sinal) editadas no Photoshop e no Photofiltre e tem milhares de parentes.
Tem mais orkut fake do que orkut normal (isso é fato). Nós falamos que os orkuts "normais" são os off, e os orkuts "fakes" são os on.
E os fakes sabem se divertir! Tem shopping fake, balada fake, parque aquatico fake, Mc Donald´s fake, motel fake, faculdade fake (a Mackenzie é a melhor, com quase 3.000membros).
E nisso surgem os relacionamentos fake . Que afinal é o tema do nosso post.
Relacionamentos fake são tão complexos quanto os relacionamentos off (se não até mais). Rola muito ciume, muitas traições, altas pegações na balada. E sabe o mais legal de tudo? É que ninguém sabe quem é o off (ou seja, a pessoa real por trás do fake). É essa a magia do fake, entenderam? Você chega a quase se apaixonar de verdade até, mas pelo on, não pelo off. Você nem sequer sabe se quem tá por trás é um homem ou uma mulher, mas não interessa nada. O que interessa são as palavras, é uma coisa muito true até... Sabe, igual aquelas histórias de pessoas que se apaixonam por cartas? É mais ou menos isso. Mas você sabe que aquela foto não é real, que aquela não é a pessoa com quem você tá falando. É uma vida paralela. E tem muitas meninas que roubam o namorado das outras no fake - alias é o que mais tem. Sábado eu fui a um casamento fake. A noiva entrou 20 minutos atrasada, entrou o padre, foi realizada a cerimonia, que alias foi linda - eu era madrinha. A gente deu os presentes... Sim, os fakes namoram, se casam, tem filhos, se separam, tudo isso.
É tipo, um The Sims mais legal, porque você interage com outras pessoas de verdade.
E a amizade fake é forever também! Como eu disse, é algo muito true, porque num tem aquele julgamento basico: é bonito/feio, alto/baixo, careca/cabeludo, rico/pobre.
Então você namora/fica amiga da pessoa pelas ideias dela, pelas coisas que ela fala, e naum pelo material/fisico. Rola uma quimica de almas, sei lá!
Pra vocês ficarem mais por dentro do fake, aqui vai um mini-manual:

- bjo na xexa na despedida(beijo na bochecha - e não na xeca, como sugeriu o Andreas)
- você tem que escrever as coisas errado, tipo - xaum (chão), deisha (deixa), intendeo? (entendeu) - motivo pelo qual Dulce Herrera está tendo muita dificuldade de escrever as palavras certo pra faker o post (Fake emburrece? Sim! E vicia também)
- Quando você tá na balada, vc copia e cola o nome da pessoa com quem você quer falar e depois fala. E quando vc vai fazer alguma coisa, você coloca ',*,",° na frente.

Ex de como conversar na balada ~>
Poncho (nome da pessoa com quem você vai falar)
oi gatxenho, tudo bom?
* pisca
* sorri
* dá um selinho ;*

Bom, se você pensar bem, todos nós colunistas do Divã somos fake. Também temos uma identidade secreta, que faz toda a diferença...
O amor fake é magico. Ele tem essa coisa infantil do faz-de-conta que todos nós precisamos.

Ps: Dulce Herrera não apronta nada no orkut da Dulce Herrera, e muito menos no msn do Divã - nem tentem.

* bejoo na xexa! ;)

Blogueiras de todo o mundo, uní-vos!

Meninas, vai ter um encontro de blogueiras dia 23/08/08 aqui em São Paulo. Eu e Marie já confirmamos presença, Dulce talvez vá também. Queríamos levar o Andreas fantasiado de pantera cor-de-rosa, mas ainda não sabemos se meninos podem entrar, já que se trata de um Luluzinha Camp (a parte da fantasia é brincadeira, viu??? Hauahauahau).

Lá vai:

LULUZINHA CAMP
Participe!
Onde: Espaço Gafanhoto - Av. Rebouças, 3181, São Paulo, SP.
Quando: dia 23 de agosto de 2008, das 10h às 17h.
Para quê: para falar de maquiagem, para fofocar, para conversar sobre blogs, para ser mulher e interneteira.

Evento grátis, faça a inscrição no site!
Mais informações? http://www.luluzinhacamp.com/




PS: quem quiser nos achar lá, a gente arruma um jeito de ficar identificável ;)
Becitos

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

O que aprendi com meu passado

Lendo o perfil da nossa charmosérrima Penélope, vi a seguinte frase: "Já teve vários relacionamentos complicadíssimos e acha que não aprendeu muito com eles." Gente, o que vocês aprenderam com seus relacionamentos passados? Tive essa crise ao preencher o perfil do orkut, acabei escrevendo meia dúzia de coisinhas engraçadinhas, mas é só. O que realmente aprendi? Bem, aos poucos aprendi que não posso ficar com alguém sem amor. Que mesmo quem diz que te ama, pode te machucar muito, muito mesmo. Que algumas vezes, para que duas pessoas fiquem juntas, deve-se abrir mão de muitas coisas, inclusive quem você é. E você, somente você, pode pensar se quer ou não pagar esse preço. Mas seriam esse verdadeiros ensinamentos ou mágoas de relacionamentos desastrosos? Não sei. Deixo aqui as perguntas da minha cabeça confusa.

Conta outra!!! (ou, homem dodói)

Post dedicado ao meu ex e o ex da Marie, os famosos “garotos-gastrite”.

Pois bem, certamente a INTERPRETAÇÃO CRETINA abaixo trará lembranças de algum pretê hipocondríaco e bem filho da mãe, diga-se de passagem. A música é cantada pela Maria Rita, que cá entre nós, não tem cara de quem acredita em “homem tadinho”, ta mais pra fisgadora de namorado alheio... eheheheheheheh

Obs: Anna O.
Marie Curie

Conta outra
Nessa eu não caio mais
Já foi-se o tempo
Em que eu pensei
Que você era um bom rapaz
E corta essa
De querer me impressionar
Coisa boa é Deus quem dá
Besteira
É a gente que faz...

É sempre assim, muitos querem bancar o bonzinho, moço de família trabalhador e amoroso, que quer ser um ótimo pai/marido/avô/cunhado/ genro, o caralho a quatro... tudo pra impressionar a guria! Depois, o lado negro da força começa a se manifestar no santinho. Acompanhemos a história...
Pois é, se o Procon recebesse denúncia por propaganda enganosa…mas vamos lá, siga-nos os bons!

Você jurou prá mim
Que foi doença
Que te impediu de vir
Me encontrar
O mundo é bem menor
Do que cê pensa
E ontem já vieram me falar...

1. uma mulher sempre tem seus informantes! A vida é feita de contatos e se você tiver bons amigos repassadores de informação (não, não são fofoqueiros, é diferente) você tá feita!
2. Eles juram que foi doença; já que a música foi dedicada inicialmente aos garotos-gastrite de nossas vidas, exponho que também conheci o “síndrome do pânico”; algumas amigas já contaram casos dos “homem que vive gripado”, “o garoto-enxaqueca”, “o tadinho da dor nas costas” e variantes diversos...

O meu garoto-gastrite de vez em quando falava até que não queria sair de casa por que estava de saco cheio! E dá lhe dias de aula, trabalho que ele gastava assistindo tv ou jogando no pc! O mundo dá voltas, rapaz. Notem a parte do jurar: eles fazem o diabo pra gente pensar que as carrascas somos nós!

Que você tava lá
No baile da comunidade
Bebendo e se acabando
De dançar
Mas eu não caio do salto
Não grito, não falto
Com a minha verdade
Sinceridade!Sai que a fila tem que andar
Sinceridade!Sai que a fila tem que andar...

Viu como os informantes funcionam???? A notícia chega mais rápido do que pela CBN! Hahhahahhaahhaa
Isso mesmo não dá pra armar barraco pelo tipinho! Deixa ele com sua doença simulada pra lá e bota a fila pra andar.

Pois é amiga Anna, faz parte do plano deles que a gente enlouqueça e rode a baiana. Assim, vão aparecer várias pessoas que pensam: ah, mas tadinho dele, ele tá dodói! E dá-le culpra pra cima da gente!
E a gastrite, é RESSACA!!!


Conta outra
Nessa eu não caio mais
Já foi-se o tempo
Em que eu pensei
Que você era um bom rapaz
E corta essa
De querer me impressionar
Coisa boa é Deus quem dá
Besteira
É a gente que faz...

Não dá pra ficar esperando boa coisa do dodói; atrás da máscara de bom-moço tem um cara que mente, finge e cai na farra. Besteira foi ele quem fez...
Triste da menina que está com o cara dodói que tem que ouvir que ele é um bom moço, mas com a saúde frágil. Esses são os mais perigosos, os que tentam voltar o jogo na frente de todo mundo!

Depois de te deixar
Na geladeira
Eu resolvi te dar
Colher de chá
É dura a tua cara de madeira
Tão dura que bastou
Eu me virar
E você tava lá
Jogando todo o teu feitiço
Prá cima da mulherada
Lá do bar

Pára tuuuuuuuuuuuudo! É a hora do “me dá uma chance? Eu nunca mais faço isso!” e claro, como acreditamos na boa-fé do ser humano, damos. E nos damos mal. É só você andar um quarteirão que já tá lá o cara fazendo de noooovo, xavecando, dando uma de rico no bar e pagando birita pra todo mundo, olhando toda bunda que passa e contando a mesma história pra toda mulher que vê! Cretino tem que ser capadooo!


Hahaha, já ouviu que tem gente que quando bebe vira rico?! É incrível essa capaidade de pedir desculpas e depois fazer a mesma besteira. È o tipo de homem que lidamos no 8-80: uma chance somente! Pobre de nós, histéricas (veja o histéricas 4- a revanche).

Mas eu não caio do salto
Não grito, não falto
Com a minha verdade
Sinceridade!
Sai que a fila
Tem que andar

Sem perder a pose, sabemos que o que é dele tá guardado. Por mais que a vontade seja de dar joelhada na cara do dodói, simplesmente saímos batendo salto e rogando pragas hahahahahaha.
Sim, pois uma daquelas que falavam “ai tadinho” vai acabar pegando o dodói pra criar. E aí, minha filha, a vingança será plena! As dita-cujas vão ver quem ele é, e ele continuará com o papo de que é tadinho, e perdendo muito na vida com isso.

Conta Outra
Nessa eu não caio mais
Já foi-se o tempo
Em que eu pensei
Que você era um bom rapaz
E corta essa
De querer me impressionar
Coisa boa é Deus quem dá
Besteira
É a gente que faz...

Finalmente, caímos na real e percebemos o quanto o mito do bom rapaz era fachada! Geralmente eles desempenham esse papel pra cada mulher que xavecam!!! Siiiim, e não mudam. Besteira é acreditar nele. Pule fora (com toda a classe) !
É aquela velha história: Pode se enganar muitas pessoas por muito tempo, mas só é possível enganar uma pessoa por pouco tempo. É só chegar perto e ver o tamanho do problema! Corre!

Maria Rita - Conta Outra

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Terapeutas Rosa Choque - Penelope " A Charmosa"


Quem é Penélope “A Charmosa”


Não, eu não vou revelar minha identidade secreta. Apesar de morrer de vontade de fazer isso essa coisa de identidade secreta tipo os super heróis dos quadrinhos me agrada!

Penélope “A Charmosa” Tem 20 anos de idade, Libriana de corpo e alma com ascendente em Sagitário, nasceu numa cidadezinha muito “inha” no interior de Minas Gerais e cresceu em uma um pouquinho maior. Penélope tem uma filha de quatro anos, mas não se casou.

Seus melhores amigos são homens e seu passatempo preferido é falar mal da classe masculina (não dos amigos claro!). Tem amigas bem mais novas e acha uma ótima oportunidade de se sentir a irmã mais velha, já que é a caçula da família.

Já teve vários relacionamentos complicadíssimos e acha que não aprendeu muito com eles.

Já foi católica, esotérica, protestante, e hoje se intitula Bruxa e dá graças aos Deuses por não ter nascido na época da santa inquisição, vive perguntando: Quem disse que bruxa tem que ser má?

Penélope cursa pedagogia, mas já começou a fazer Letras, tem vontade de se formar em psicologia e jornalismo também.
Os objetivos profissionais são muitos. Ela almeja ter a própria escola de educação infantil, ter seu consultório de psicologia, publicar seu livro já escrito, já quis publicar o diário de um amigo, sonha em escrever pra uma grande revista feminina e por aí vai...

Os objetivos pessoais são o mais simples possível ela já quis ser solteira pra sempre, viver um dia de cada vez, mas hoje depois de ser mãe ela quer mais é pensar no futuro ter estabilidade financeira e viver um grande amor e parece que as coisas estão começando a acontecer! Ela quer casar de véu e grinalda, acredita no amor verdadeiro (clichêeee), mas acha que paixão é veneno que corrói a alma (very poison).

Seu cabelo é um verdadeiro laboratório onde faz suas experiências mais bizarras.

Adora comer chocolate, nadar na cachoeira, ver o pôr do sol em São Tomé das Letras, namorar a luz da lua, sonhar com coisas ruins porque quando acorda vê que era tudo mentira, adora o sol, o vento, a chuva, o luar, a terra, cor de rosa, jogar rugby.

E a cada dia aprende e sonha mais!

Música: Cazuza, Britney Spears, D’Black, Roupa Nova, Capital Inicial,

Livros: Meninas Boazinhas vão para o céu as más vão á luta, Cinco Homens que partiram meu coração ( Suzan Shapiro ), Mentiras que os Homens Contam ( Veríssimo )

Frase: Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história!!!

Sonhos: Conhecer o Egito


Kisses cheios de charme

Penélope

Do que os homens gostam?

Bom... vou falar de um tema diferente hoje, a moda feminina...
Antes que pensem que o Andreas pirou e vai começar a dissertar sobre as melhores combinações pra primavera/verão hehe, não é exatamente esse meu enfoque (muitooo menos minha especialidade, confesso uma ignorância bastante ampla no assunto, mas não completa ;] ) mas sim, de como as mulheres se arrumam... ou melhor, pra que as mulheres se arrumam?
Horas de salão de beleza, horas de compraaaaas, muitas compras, né meninas? Aquele sapato super supimpa com a blusinha liiiinda que ela achou, maquiagem, brinco anel... tudo isso para agradar a quem? As outras mulheres, é claro!! Imagina que mico sair com uma blusa não combinando com a saia, ou sem aquela chapinha básica ou com o cabelo desbotado hehehehe, não vai dar certo, né? Mas vocês acham que os homens reparam? Sinceramente? Não!!! Assim, podemos até reparar dependendo da coisa, mas não damos muita trela pra isso, claro que todos tem que ter um mínimo de cuidado, vaidade, higiene e não que nós achamos ruim, se elas tem esse capricho, um tanto quanto melhor, é ótimo... mas meninas, vocês sabem que essa organização não é para os homens, né?

E pensando nisso, vejo o modelo de beleza da mídia que é vendido, é comprado por quem?? Pelas mulheres, elas acreditam que aquele padrão é que os homens gostam e tentam seguir, querem ser altas, magras do cabelo liso, quem disse que é isso que nós queremos? E se falamos que não é o que procuramos, elas brigam com a gente, diz que estamos mentindo, sendo simpáticos, falsos ou sei lá o que... mas por Deus, será que podemos discordar do modelo “padrão”?
Bom... esse assunto será mais abordado num próximo post... em breve.

Então meninas, vocês que conhecem seus namorados, pretendentes e afins... do que os homens gostam?

Beijos
Andreas

PS. a imagem foi uma montagem que eu fiz em cima da capa original desse filme "Do que as mulheres gostam", título em português... quem quiser conferir a capa original, click aqui.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Histérica 4 – (ou você achava que tinha acabado?) Ser objeto causa de desejo

Pessoas, eu juro (não vou jurar por Deus por motivos ateísticos), mas juro que não faço mais posts falando sobre a histeria; massss... acontece que ficou faltando um detalhezinho, uma característica que Lacan considerava fundamental nas pessoas com estrutura histriônica: ser objeto causa de desejo. Mas, raios, o que é isso?
Simples, a histérica vive para agradar! Agradar ao Outro, diga-se de passagem. Como? Bom, ela supõe o que o Outro quer dela, e executa o que acha que o outro quer que ela faça... complicado?
Nem tanto. Levando em conta que ela “se faz ser” tudo o que alguém precisa, obviamente é amada, aceita, querida e necessária. A histérica é praticamente uma “mulher de Atenas”! É a namorada perfeita, a filha impecável, a esposa submissa, a melhor do escritório ou até da faculdade. É aquela que dá uma de mãezona com os caras com quem se envolve, tenta resolver os problemas deles, ser companheira, compreensiva, conselheira... ser TUDO! Exatamente esse é o objetivo da histérica: servir ao Outro.
Nesse turbilhão de emoções confusas que chamamos de amor, a histérica pode se perder, jogar suas vontades e interesses em um canto qualquer e priorizar o Outro; a satisfação dele, o gozo dele, o prazer dele, as vontades dele.
Talvez essa seja só uma forma de defesa frente a um mundo que parece querer nos engolir; talvez seja um papel a ser cumprido, o de anular as pretensões pessoais em prol da satisfação alheia; talvez seja algo que, uma hora ou outra, todas nós manifestemos, ainda que em proporções menores.
Lacan nunca considerou histeria uma doença; aliás, a psicanálise só considera doença aquilo que a pessoa sente/considera como doloroso. A estrutura histérica é uma forma de viver as coisas, interpretar o mundo. Mas podemos quebrar com essa estrutura? Romper com o padrão “moça-agradável” que quer agradar?
Não é impossível; apesar de o inconsciente ser algo, de certa forma, incontrolável, é através do auto-conhecimento que entendemos, dentro da história de cada um, o porque de agirmos assim. Um ótimo exercício é tentar adotar uma postura mais sua, olhar para suas necessidades, vontades, aquilo que é só seu, e que você faz por si, não pelos outros.

Anna O. é histérica, dá chilique e já tentou muito agradar os outros; num insight, caiu em si, notando que está nesse mundo é pra desagradar!