quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Tão garotas quanto nós

Já que esse é um blog que se propõe a abordar temas acerca do feminino, não poderia deixar de falar deles e delas. Abordar o tema não deveria ser tão delicado como é, uma vez que nosso contexto social também não deveria ser tão rígido, arcaico e preconceituoso. Agora, falemos deles e delas...

Vamos partir de uma suposição: de que você tivesse nascido homem, e desde cedo se sentisse “estranho”. Vamos partir do ponto crucial: você é um homem e se sente uma mulher. Mas, como assim? É possível?


A ciência reconhece, no campo dos gêneros, o seguinte (a grosso modo, porque a Anna ainda ta estudando o tema):
Heterossexuais são pessoas que sentem atração sexual por indivíduos do sexo oposto;
Homossexuais são pessoas que sentem atração sexual por pessoas do mesmo sexo, não tendo problemas em relação ao gênero ao qual pertencem;
Travestis são, em sua maioria, homens que gostam de se vestir como as pessoas do sexo oposto (só que de uma forma exagerada), sendo que nem sempre são homossexuais.
E, finalmente...
Transexuais: são pessoas cujo sexo (no âmbito biológico) não condiz com o gênero ao qual se sentem pertencentes. Gênero é diferente de sexo.

Sexo é masculino ou feminino, aquele com o qual nascemos. Gênero é aquilo que construímos, a identidade dos sujeitos relacionada a auto-percepção, sentimentos de “pertencer” a um grupo ou outro, é o uso de referências de outros indivíduos do mesmo gênero para a construção do eu, da minha identidade enquanto homem ou mulher.

Segundo Simone de Beauvoir, uma mulher não nasce mulher: a mulher é uma construção; é, além de um “sentir-se mulher”, aprender a ser, identificar-se, reconhecer-se na condição de mulher e escolher, ao longo da vida, que tipo de mulher queremos ser.
Da mesma forma, o homem se faz homem.
E o transexual? É um homem que constitui-se, ao longo de sua história de vida, identificando-se com o gênero feminino, apoiando-se nessas referências, sente que é, essencialmente, mulher.

Não seria demais afirmarmos que são tão garotas quanto nós. Os mesmos contos de fadas escutados desde cedo, que deixam de fazer sentido do dia pra noite, mas que não saem do nosso imaginário; as mesmas (ou talvez até maiores) angústias em relação a um corpo que muda, à aceitação, aos relacionamentos, à confiança nas amizades, aos empregos, à imagem passada para os outros, à necessidade de agradar a esses outros e ao mesmo tempo se agradar. A vontade, desde cedo, de vestir as roupas da mãe e poder usar aqueles saltos altos, de ser um pouco como ela e um pouco como as mulheres que admira, a vontade de ser, desde sempre, para sempre e por si só, uma mulher.
E eu digo que, sentir-se é ser...


ps: Recomendo o filme Transamérica!

********************************

Meme 2009
Eu deveria ter respondido antes, sorry! Mas como nunca é tarde para amar, deixo aqui minhas 10 resoluções de ano novo, do meme passado pela queridíssima Lekkerding!

- Postar 10 resoluções de Ano Novo e dar exemplos de como pretende cumpri-las;
- Passar pra pelo menos 5 blogs;
- Fazer 1 desejo de Ano Novo para as pessoas desses blogs.

Sem que a ordem signifique prioridade... vamos lá:
1. Educar meu cachorro. Eu juro que não faço idéia de como se ensine bons modos a um selvagem amarelo, mas juro que vou tentar.
2. Comprar o que for realmente necessário. Não que eu tenha muitos surtos consumistas, é bem pouquinho, mas a questão é saber distinguir o necessário do "bonitinho".
3. Viajar. Faz tempo que não viajo, que ando pelos mesmos lugares e não me aventuro num ônibus, com uma mochila nas costas pelo mundão. Esse ano é Ouro Preto.
4. Não ficar ranzinza antes do meu aniversário. Eu já descumpri essa promessa. Falta menos de uma semana e já ando espantando qualquer um no grito. Logo, saio na unha.
5. Ir aos 2 congressos que planejei. Adooooro congressos =). Pretendo ir guardando dinheiro.
6. Não cair pra nenhum dos extremos que oscilo: nem tão racional, fria e lógica, nem tão emotiva, passional e sensível. Vou conseguir tomando suas doses diárias de bom-senso.
7. Ser mais presente com meus amigos. Pretendo não sumir, como costumava fazer.
8. Pretendo não ser mais a maior consumidora dos produtos da Elma Chips. Vou me conter pra não comer tanta bobeira.
9. Cozinhar mais, é terapêutico! Se tiver mais visitas dos amigos, cozinho mais.
10. Ir a mais shows (Alanis, eu vooou!), dar mais abraços, beijos, agarrões no meu namorado e ler mais livros. Nunca é demais.

Olha, eu fico sem graça de indicar 5 blogs agoooora agooora... mas fiquem a vonts. Quem quiser, só fazer o meme e avisar pra conferirmos.

ps de novo: tô cobrindo férias da minha auxiliar, então ando um pouquinho sumida. Mas logo retorno com força total. Modo turbo. Saudades!

26 comentários:

Karin Lisboa disse...

Interessante essa análise sobre homossexualismo, transexualismo, enfim.. Descobri dias desses que um travesti não é, obrigatoriamente, homossexual. Ainda não me acostumei com essa idéia, mas esse post me fez refletir um pouco.
A lista de resoluções para o ano novo está muito parecida com os meus objetivos também... espero que consigamos cumpri-los :D
Abraço

Mabia Barros disse...

Concordo com o que dizes, mas tenho só um detalhe a acrescentar: apesar de raro (ou talvez haja menos alarde) no Brasil, moças também trocam de sexo.

Sem querer gerar polêmicas com isso, mas me sinto meio traveco as vezes... huahauihaiha digo q papai pediu duas meninas senão eu nascia viado... huaihauiahiahia Adoro roxo e laranja!

=)

Naty Abacaty! disse...

Apoio a reivindicação! (é assim que escreve? ahuah.)

Um beijo.

Biia.° ♥~ disse...

ganhou meu selinho!

http://odiarioroxoclaro.blogspot.com/

Sophie disse...

Adorei o artigo, sobre os sexos. Muito bom. E, cara, tbm preciso urgentemente apreder a distinguir o necessário do bonitinho :P
kkkk
;D
=***

Manu disse...

ja vi o filme
adoreiiii
tenho amigos gays
e lesbicas
tenho uma amiga que é transex
apóio total a causa
otimo tema

bjuss

Patricia disse...

então não sou a única pessoa que se arrepende de dar Muito dinheiro para a Elma Chips todo o ano! :~

ah eu tenho uma cachorra, ensiná-la foi super divertido!! :)

e eu adorei esse filme, transamérica. essa atriz é boa demais como trans.

e essa discussão é ótima... somos a soma de tanta coisa que com certeza nascer homem e se sentir mulher e vice-versa é possível...

beijo!

Coração Alado disse...

Muito bem dito! Sentir-se é ser!

um beijo!!

:)

Taia disse...

Bah, tive uma conversa parecida com essa conversa aqui em casa ontem! Tentava explicar pra minha mãe que gay é homossexual e que homossexual não é só quem é passivo...e que homem que se veste de mulher é outra coisa, não necessariamente gay...enfim, não sei se ela entendeu!

Sobre a construção da mulher, eu mesma fiz um curso sobre "como se tornar uma mulher", em uma sociedade de psicanálise daqui. Foi muito bom porque esclareceu muitas coisas - mas também me deu belos ataques de riso!

Muito bom este post!
Bjos!

Lays Melo disse...

Eu queria ir pro show da Alanis. =\
Diverta-se por mim! hehe

Beijos

Lays Melo disse...

*divirta-se

Recantos e Pensamentos disse...

Nossa, bem legal esse seu post. Realmente é importante que estas diferenciações sejam bem entendidas. Também estudo Gênero no mestrado, é algo fascinante e bem polêmico, às vezes.

Bjos

Drunken Alina disse...

Eu imagino como a vida dessas pessoas deve ser difícil!
O mundo poderia ser mais mente aberta,né? aceitar os outros como realmente são.
Legal este assunto!

Beijos!!

Isis Mariana disse...

Olá! =D
Tem dois prêmios para você no meu blog!

Abraço,
DTA.

Inspirações disse...

;-)

Um grande dia para vc!

Sarah disse...

Anna, me surpreendi hj com seu texto. Foi de uma precisao e de uma leveza, incrivel.

Nascer presa num corpo q vc nao identifica como seu, é algo no minimo desesperador, só quem ja passou por isso (vide, eu) sabe bem oq eu falo.

A grande chave do sucesso, para se aceitar, se entender e se tratar, é com ajuda da familia, isso foi fundamental pra mim e é oq eu digo pra quem me pergunta, familia.

Hoje, problema ja superado, ja adequada, vivo normalmente e lembro daquele passado dificil e complicado como uma experiencia de vida, um aprendizado q me tornou em quem sou hj na minha plenitude!

Bjs e visite-me sempre!

Ysa disse...

Eu apoio totalmente apesar dos pesares todos eles são como pessoas normais e devem ser compreendidos como nós afinal quem nçao gosta de receber dicas de maquiagem de alguém do sexo masculino? Nosa faz sentir mais livres [/oops estou falando demais
E sobre as resoluções de ano novo simplesmente adorei vou fazer a minha já
outro p.s>>eu tenho um amigo que ele já se relacionou com um cara relacionamento sério mesmo só que atualmente ele tem procurado relacionamentos com mulheres essa instabilidade é meio estranha ;x

Ka disse...

selinho pra vcs lá no blog!!

Joshuatree disse...

Gostei do que você disse, mas eu confesso: Sou totalmente devotado ao encanto da mulher ...
Nada é mais etéreo e ao mesmo tempo permanente, do que acariciar a sensualidade a essência o despetalar-se do aroma, que se desprende da pele de uma encantadora... Mulher !
Se "sentir-se é ser " então sou, um "amador" da mulher.

Luíza Maria Hollanda de Mello disse...

o assunto da sexualidade é delicado, prefico n pesar mt sobre o assunto
somente convivo e aceito

Tyellë disse...

Tem presente para o Divã lá no meu blog...

bjaummmm

Rafaela disse...

difícil discussão. só estando na pele de um transexual pra saber. convivo com pessoas de todos os tipos e tive oportunidade de conhecer trans. são pessoas ótimas, que querem apenas estar livres de um corpo que não os pertence. é uma alma presa num corpo de outro gênero. imagina a confusão?? daí vem os problemas psicológicos... não sou psicóloga então não vou tentar entrar em detalhes. sei que o índice de suicídio é grande. é coisa séria.

eu mesma não me considero hetero, homo ou coisa e tal. gosto de pessoas, independente de gênero. o mundo te impõe uma conduta pré-estabelecida e você segue ou não. eu prefiro ser livre!!

Raquel El-Bachá disse...

Oi Anna. Eu já fiz um trabalho sobre cirugia de mudança de sexo e mudança do nome do do gênero no Registro Civil. Isso porque ainda há controvérsias sobre a mudança no registro civil.
Ah...eu tb quero ir para o show da Alanis aqui em Salvador na sexta-feira!
Beijos.

Dri disse...

Adorei o post sobre sexualidade, acho que a pessoa deve agir como se sente. Se eles acreditam que nasceram em corpo errado, merecem respeito como qualquer pessoa, e tem todo o direito de ser feliz, chega de preconceito. Bjos

Mulherão disse...

Ainda não vi o filme, mas vou assitir. Adorei o artigo!

Beijos.

ps: tem outro selinho pra vocês lá no blog ;)

Louis Medeiros disse...

eu ameiiiiiiiiii esse filme., é lindo, sensivel, emotivo.
feito para pessoas com sentimentos REAIS.

assistam!