terça-feira, 5 de agosto de 2008

História

Ela entra no metrô. Bonita, alta, cabelos vermelhos até a cintura. Calça colada de cintura baixa, top vinho curto, escondido sob uma jaqueta branca, bem curta. Botas de cano alto pretas combinam o visual. Ela sabe que está linda. Seu andar é firme, fica de pé no metrô enquanto espera sua estação. Vai para uma reunião de amigos, provávelmente encontrar um pretendente, não se sabe. Está segura, sabe que tem presença.
Entra um rapaz. Mantém-se junto a porta, e não deixa de reparar na garota de costas para ele. Mais precisamente em parte de sua anatomia, abaixo da cintura. O olhar é fixo, com um leve sorriso no rosto. Poderia estar pensando mil coisas com aquele olhar, com aquele sorriso de canto de boca. Sinto que ele é um cafajeste. Olhando para a moça daquele jeito. Olha para os outros usuários, e não encontra nenhum olhar para o quadril da moça. Ele chega nela, fala coisas no seu ouvido. Ela se assusta, de repente, toda a pose de femme fatale cai por terra. Fica vermelha e baixa o rosto. Nessa hora me pego a imaginar as mil indecências que ele pode ter falado para desconcertar a moça. "Vamos descer na próxima estação, eu, você?" Não sei. Sinto pena da moça. Na próxima estação ela desce, e o olhar do rapaz volta para o quadril dela. O meu também, com certa curiosidade. Descubro, então, que o rapaz não era o pervertido que era: Na calça de cintura baixíssima e quase um palmo de costas à mostra, dava para se ver nitidamente uns 2 centímetros de um absorvente a dar tchauzinho para quem quisesse ver. Fiquei com dó dela. E com vergonha de ter pensado tão mal do moço.

Moral da história:
-Nem tudo é o que parece
-Há homens que se preocupam com outras mulheres
-A colunista é muito maldosa
-Use absorvente interno

10 comentários:

BelaCavalcanti disse...

"Há homens que se preocupam com outras mulheres." JURA??? Como eh que eu nunca conheci nenhum! Vai acreditar em homem, vai... depois vc. me escreve contando da roubada que se meteu. Minha experiência diz: Homem é feito criança. Tem que paparicar muito, mas mantenha o cabresto CURTO! E tem mais: Se encontrar exceção, AGARRE logo - deve ser exceção já em extinção.

Renata disse...

Pela sua descrição da moça, ela tava pedindo para todos repararem. Agora, coragem do rapaz em avisar, eu talvez deixasse para outro esta missão. bjs, Re

Garotas de Vinte e Poucos disse...

Marie
se essa história for verdade... aplausos p/ tal moço, que foi dos mais corajosos ( se ele tava com segundas intenções, ninguém sabe, mas que valeu, valeu!)

Bjo
*Lala*

Bem Resolvida disse...

Eu tomo anticoncepcional injetável e não menstruo há um ano!!!

Aiai, nada melhor!!! rs

Drunken Alina disse...

Meu Deusss, coitada da menina!!!

Uma vez na praia, vi uma garota andando com o fiozinho do ob aparecendo tb...
Dá muita vergonha alheia!

Amei o blog!
Voltarei mais vezes!

Anna Oh! disse...

Eu juro que pensaria o mesmo hauahauahauahauahau. Mas po, corajoso meeesmo. Será q a gente é cismada demais?

Marie Curie disse...

Haha, pois é, a história é verdeira! Eu estava fuzilando o cara, quase pulando da cadeira e matando ele. Depois ainda ia virar pra menina e falar; "olha, peguei ele pra vc". Acho que pensar demais em alguns casos é péssimo, mas fazer o que, não consigo evitar!
Beijos meninass!!!!!!!

Anna Oh! disse...

É nessas horas q eu digo: ainda bem q não ando armada!
Huahauahauahauahaua

Andreas Ribeiro disse...

uhauhauhauhauhaa

A Anna publicou um texto das maldades cotidianas... olha nossa amiga Marie destilando um veneninho "de graça" hehe

Penelope "A Charmosa" disse...

Very poison!! rsrs

MAs eu pensaria talvez um pouquinho pior ja tacharia o camarada de tarado e imaginaria até ele sperando por ela em alguma rua deserta pra fazer umas maldades kkkkk