quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Amor Incondicional

... e porque não?
Bem, em um post nos tempos remotos do Divã quando ainda contávamos com a colaboração da Black Cat, ela e nossa eterna Marie fizeram esse post falando que descrêem no Amor Incondicional.

Digo a vocês que eu não concordo de um todo com elas, não que também discorde de fato, mas vamos à pergunta, porque não pode haver?

A grande questão do amor incondicional é o fato de teoricamente os amantes se julgam ou propagam possuidores de um amor incondicional e após uma briga, traição ou muitas decepções esse amor incondicional se torna uma frágil lembrança, mera caricatura daquele amor que fora outrora e deixou de ser por uma condição qualquer.
Sendo assim, descremos totalmente nesse amor incondicional, pois, todas (ou quaisquer) condições podem ser suficientes para que ele deixe de ser e vire outra coisa, como pena, raiva, mágoa.

Só que não é apenas desses exemplos que pode se pensar em um amor incondicional! Ele ser incondicional não quer dizer que o relacionamento entre o casal vai durar para sempre, tampouco quer dizer que você vai gostar ou aceitar tudo o que ela faça, mas sim, que independentemente disso ou daquilo, o que sobrará no final é o amor nutrido por aquela pessoa.

O amor incondicional pode sobreviver às brigas, términos, palavras ditas e atitudes das quais não concordemos, porque estou falando de um sentimento que pode se tornar indelével dentro de nós. Que podemos simplesmente sermos acometidos por sentimentos à uma pessoa que não se esvairá, mesmo que as maiores ou piores atrocidades sejam feitas e porque não?
Talvez seja um amor entre casais que se aproxime do nutrido entre pais e filhos, pois, muitos dizem que a maioria dos pais irá amar os filhos independentemente do que eles possam vir à fazer e muitos filhos assim o são com os pais também.

E vocês? Acham que pode haver esse amor incondicional? Muito fantasioso? Romântico? Idealista?

Beijos a todas,

Andreas Ribeiro.

6 comentários:

Morganna disse...

Amor incondicional... uma utopia, um sonho distante, ou algo que pode ser real? Eu acredito! Alias acredito SEMPRE em amor incondicional, entre pais e filhos, como citado no texto. Agora um amor romantico incondicional, é algo raro. Mas eu acredito sim, acredito neste lance de almas gemeas e pessoas que foram feitas uma para a outra. É algo dificil de se encontrar, mas não impossivel.

Andréa Ribeiro disse...

Para um casal que vai completar 23 anos de casados (obrigada pelos parabéns...rs) com certeza este amor é incondicional. São tantos momentos, bons e maus, tantas alegrias, frustrações, decepções que não há como viver tanto tempo assim se o amor não for incondicional.
Bjlhões keridos. Há tempos não comentava aqui. O retorno. (O que não faz a promessa de um beijo do Andreas heim!....kkkkkkkkkkkkkkk)

Luana disse...

Estou ausente... Eu sei... É excesso de trabalho... Mas estou acompanhando! Juro que estou! Na internet do celular, escondida... Só não tenho tido tempo para comentar!

Beijos :*

Kika disse...

Caí de pára-quedas no blog e adorei o título, e as pegadas de psicologia espalhadas por cada canto do blog :) ganharam uma leitora!

Ah, tópico bem interessante! Amor incondicional... Na verdade, eu não sei muito bem se acredito, tendo mais pro "não". Porque, quando penso na definição de um sentimento desse tipo, ele estaria relacionado a amar alguém sem um condição ou um por que, acima e apesar de todas as coisas. Construímos relacionamentos e o moldamos a partir das experiências, das expectativas, das respostas que um dá ao outro. Mesmo que você termine um relacionamento e continue nutrindo um sentimento pela pessoa, não significa que isso ocorre porque você a ama incondicionalmente. Você a ama pelo que você conheceu e gostou, pela falta, por uma série de motivos que mantêm o seu gostar. A idéia que eu tenho de amor incondicional é aquela coisa bem cristã mesmo: não sei quem é você, o que você faz e o que você fez, mas eu te amo de qualquer jeito. E isso, eu acho inviável.
Até um relacionamento entre pais e filhos é construído, se formos pensar. Já tem uma grande polemica sobre esse assunto (se o chamado "amor de mãe" é instinto). Muitos acreditam que não, tanto que muitas mães, desde a idade média (e bem antes) matavam ou abandonavam seus filhos porque não os queriam e pronto.

Acredito em paixão, paixão a primeira vista e amor. O amor mesmo, aquele que você sente compaixão, perdoa, compreende, briga e se entende... Porque, pra mim, ser humano é isso. Agora, quanto ao amor incondicional... Pode ser uma definição mais utópica e idealizada de sentimento. Mas quem tem certeza de tudo nessa vida, né?

Beijos, vou continuar visitando! ;D

Andreas Ribeiro disse...

Andrea!!! hahahaha muito obg e continue seguindo a gente aqui e no twitter ^_^

Luana, nós também ficamos muito ausente esperamos que voltemos com tanta força quanto você!!

Kika, que bom que gostou do blog, ficamos muito felizes de ainda encontrarmos pessoas interessada nesse espacinho aqui, espero que venha muitas vezes!!!


Beijos à todas

Andreas

Jordana Flávia disse...

Eu já tive muitas dúvidas, mas cho que existe sim esse tal amor incondicional. Não quer dizer ficar juntos pra sempre, nem concordar ou deixar passar coisas desagradáveis. Só quer dizer que apesar de muitas coisas terem acontecido pra abalar a relação, existe um amor, uma vontade de ver a pessoa feliz e bem, de ajudar independente de qual posição você ocupa na vida dela agora. Não é nem ter esperança ou vontade de voltar um dia, é só amor mesmo... Só amor.
Adorei seu blog e te convido para visitar também o meu: www.belezaaprendiz.blogspot.com.
Luz e paz!