sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Escravos da Tecnologia - Parte 2

Olá, me segue no twitter?
Como eu te acho no Orkut?
Deixa eu ver seu facebook, vou lhe perguntar algo no seu formspring, ta no hi5?

Tudo isso faz parte do nosso cotidiano atual, pra alguns mais, outros menos, mas para grande parte das pessoas com acesso à internet, isso é rotina.
As novas tecnologias estão ai e não precisamos fugir delas, mas e quando elas se tornam a parte mais importante das nossas vidas? Quando estamos viciados no twitter ou ficamos o dia todo só no Orkut ou algo assim?
Percebemos claramente que somos Escravos da Tecnologia, sim!

Acredito que uma das piores conseqüências que pode ter é o das pessoas que se ocupam da internet como modo de interação, diversão, lazer, cultura, passa-tempo e tudo, absolutamente tudo que ela faz é virtualmente, vai ocasionar um afastamento social.
Hoje em dia conhecemos muitas pessoas “online”, colegas, paqueras, relações profissionais e até amizades de verdade, namoro e “Parceiros sexuais”. Não entrarei nos méritos desse último item totalmente questionável, mas algumas pessoas consideram assim...
E o que acontece com a pessoa que só tem relações assim? Como fica a cabeça de alguém que não consegue de fato interagir com as pessoas fisicamente e que precisa da intermediação de um computador para fazer um laço? Quais não serão as conseqüências de quem se destitui de uma vida social para se realizar com uma “vida virtual”?

Twitte, escreva no blog (rs), faça seu vlog, manda scrap e jogue mini-fazenda, mas não percamos de vista qual é o limiar entre aproveitar a tecnologia ou ficarmos à mercê dela.
Pautar as relações sociais, esperar por aquela paixão, namorar somente pela internet é se deixar levar pela superficialidade e fragilidade de laços que não preenchem as nossas necessidades, apesar de disfarçar que o faça

Ps. Um post sobre a tecnologia e os namoros deve vir...

Beijos
Andreas

2 comentários:

Marisol disse...

Excelente texto este seu .
Ele serve como um alerta para sabermos se estamos ou não ultrapassando os limites permitidos diante das novas tecnologias .
Meu filho de 12anos é viciado em jogos do computador e por mais que tente colocar limites , ele sempre acaba triblando as regras estabelecidas , mesmo sendo um filho exemplar , estudioso , calmo , tranquilo , a internet ocupa de mais o tempo dele , mal vejo brincando com outras crianças e olha que não é por falta de incentivo .

Mirian Carla Villaça Barbosa disse...

Comentei com um amigo meu exatamente sobre isso não faz mais que uma semana, "falávamos sobre a Caverna Moderna".
Acho que Platão deve ter feito uma viagem ao futuro, voltou e escreveu sobre.
Estamos cada vez mais sentados em frente à uma parede onde desfilam sobras, imagens e nós as tomamos por real.
Eu estou fazendo exatamente isso nesse exato momento, irônico não?!

Beijos.