quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Não deveríamos, mas nos acostumamos...

Eu Andreas, topei com uma frase parecida com essa umas semanas atrás, e na hora já encaixei ela dentro da idéia que se tornou esse post. E a pergunta crucial pro desenvolvimento do mesmo é: O que dentro de um relacionamento, nós nos acostumamos, mas não deveríamos ter acostumado?

Normalmente algumas coisas acontecem que nos desagradam ou nos deixam em uma situação desconfortável, porém, começo de relacionamento com tantas coisas boas que vemos (ou queremos ver) no companheiro, que deixamos esses detalhes de lado...
E sendo algo que estava desde o começo dos relacionamentos, então como depois de algum tempo reclamar daquilo? Como passar a ficar bravo com o qual já tínhamos nos “acostumado” e relevado? É um ponto complicado que pode gerar muitos ruídos entre o casal...
Existe aquela história “ele faz isso e me irrita”, mas quando se verbaliza isso muito tempo depois que começou o comportamento, você não o faz porque só irrita agora, não é? O faz porque chega uma hora que não conseguimos mais tolerar certas coisas, (pensando na teoria cognitiva comportamental, talvez o reforçamento positivo já não seja mais suficiente... olha uma mini-psicolorgia no meio do post... hehe) e se já não é o suficiente, o que fazer?
Podemos continuar “aceitando” o comportamento, já que não nos manifestamos antes e julgamos não ser justo reclamar agora...
Ou então começamos agora a verbalizar os fatos e deixamos de nos “acostumar” com a situação...

Eu, Andreas, costumo ser sempre a favor do diálogo entre as partes para que não tenha “ruídos” que se transformem depois em DR’s epopéicas e talvez até em um rompimento se o caso for grave...

Não citei, mas claro que existem os casos de comportamentos que surgem depois que começou o relacionamento, como nesse caso do Deitando no Divã, que ele começou a fazer sempre a mesma coisa e em um primeiro momento ela foi se acostumando com isso, mas nesses casos creio que seja mais difícil nos acostumarmos ou então mais fácil ter uma atitude para que não perdure isso que nos incomoda...

E com o que vocês estão acostumadas? Será que não é hora de quebrar esse ciclo? Ou agora é tarde, não deveria, mas já acostumou...

11 comentários:

Desabafando disse...

Eu acho que se começa a incomodar é hora de ter uma conversa pra tentar resolver, pra que no futuro isso não vire uma imensa bola de neve que mais cedo ou mais tarde vai cair em cima de vc. E acho natural que no começo só se perceba as qualidades né? Afinal é só com o tempo e com a convivência que se conhece realmente a outra pessoa.

Bia Firpo disse...

Sinceramente, eu muitas vezes me acostumei a não me dar prioridade, e sim ao outro, foi um custo quebrar esse padrão, anos mesmo, e até hj tenho que me vigiar, pq senão me pego fazendo algo q não queria em favorecimento do parceiro... uma droga....

Olhos e pensamentos disse...

meu marido me irrita...grrrrrrrrrr( To brava hj)

Lekkerding. disse...

É complicado... Deveria ser simples. Tá enchendo? Arruma logo ou parte pra próxima. Mas é complicado quando entra o monte de sentimentos no meio pra relevar, relevar e relevar, mesmo quando não é justo, nem digno, nem humano.
É assim que relações abusivas começam, se pararmos pra pensar. Releva um "cala a boca" aqui, uma ofensa gratuita ali, e quando menos se espera, alguém morre de tanto apanhar.

C. disse...

olá! achei muito interessante o seu blog.. :P e muito bem sintonizado com o mundo dos blogueiros.. ^^ sucesso sempre pra voces! :** parabéns!

Raquel El-Bachá disse...

Acho que se algo incomoda deve haver conversa para se tentar resolver. Nada de acomodação, até porque em determinado momento a pessoa incomodada, cansada de engolir tantos sapos, vai reclamar e será difícil mudar.
Beijos.

¤*Daiazinha*¤ disse...

Procuro sempre falar as coisas que não gosto na hora em que acontecem, ou pelo menos no mesmo mês! Senão vira bafão... huahauah!

Mabia Barros disse...

Apesar da apixão, tem coisas sim que vmeos no começo do relacionamento e que deixamos pra lá. Não sei se por não dar a devida importância, se por achar que não vai dar certo ou ainda, a pior das opções, por achar que seu amor pode mudar o comportamento do rapaz.

Temos como saber como o cara se comporta observando como ele trata a mãe, os empregados, pessoas na rua, vendedores... Não vê quem não quer!

Eu tenho o sério problema de virar secretária/mãe... acabo por me preocupar com o desinfeliz e marcar médico, renovação de carteira, resolver coisas no banco... Luto pra não cair mais nessa. Sou namorada, não secretária!

Manu disse...

Na boa? Tem gente que se irrita com tudo ou qualquer coisa. Se irrita hoje mas não se irrita amanhã. Daí fica difícil, né?
Eu me irrito.
Mas confesso que na TPM me irrito mais...
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Pirulito que Bate-Bate disse...

Acho que quando tem algo que não está certo, devemos falar logo pra resolver o problema. Senão ficamos adiando, adiando e adiando, e acabamos nos acostumando com isso, achando que é normal, que pode ficar por isso mesmo... tem que por logo um ponto final!

Andréa Ribeiro disse...

O diálogo é a base de todo relacionamento. Após 23 anos de convivência sendo 21 debaixo do mesmo teto posso assegurar que nosso parceiro tem seus defeitos, mas tb suas qualidades. E assim somos todos nós meros mortais. Não é acostumar com o q vc não concorda e sim conversar. Anos de convivência e muiiiitoooos diálogos nos trazem experiências e crescimento mútuo. Espero casar de novo daki a 4 anos, como o mesmo marido, é óbvio...rssss