quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Serial Lover - Parte 2

Em vários posts debatemos sobre o padrão comportamental que teimamos em repetir nos relacionamentos. Esse padrão pode aparecer tanto na postura que adotamos no nosso comportamento em relação ao outro quanto ao tipo de pretê que procuramos...

Um exemplo desse padrão é a “caça” de homens com as mesmas características do ex. Não, não é aquela coisa de procurar gostos e afinidades em comum e que com certeza acontecia com o antigo namorado, mas sim coincidências escabrosas... É a tendência a procurar um próximo affair não pra seguir em frente e deixar o passado pra trás, mas para repetir a mesma situação vivida anteriormente e dessa vez, fazer dar certo, para provar para os outros mas principalmente para você mesma que o relacionamento pode dar certo SIM, e que a culpada não foi você... Repetimos a mesma situação do passado, com as mesmas condições, para assim ficarmos em paz com nós mesmas e ter o alívio de termos conseguido... Mas isso acarreta inúmeros problemas!!!

Primeiramente podem aparecer muito dos problemas que aconteceram no relacionamento anterior, e há o perigo de sofrer pela mesma coisa, passar pelos mesmos percalços numa busca infundada de tentar viver o antes através do agora. Se não der certo, você pode se sentir culpada duas vezes, e a sua auto-estima penará com isso também duplamente... Além disso, já pensaram o que pode acontecer se o novo relacionamento se basear somente nessa busca? Depois do objetivo alcançado, você estará feliz ao ver que era capaz... Depois desse sentimento de conquista, o relacionamento vai perder a graça pra você. O que te impulsionava a ir atrás já não está mais presente, e a ilusão de uma nova paixão é desfeita na hora... Afinal, a questão não era da pessoa propriamente dita, mas do conjunto de características em comum com o ex que ela possui... E nesse caso, podem sair duas pessoas machucadas... Ou seja, esse padrão comportamental definitivamente não é saudável!

Quando tentamos entrar em um novo relacionamento, a única coisa que devemos ter em mente é não repetir os mesmos erros (os NOSSOS ERROS) que cometemos no passado, e só... Sem repetir padrões, sem querer consertar nada, sem querer reviver coisa alguma... Dar uma chance a uma pessoa completamente diferente de nos fazer feliz e principalmente, darmos essa chance a nós mesmas!

Um exemplo disso aconteceu comigo... Meu ex-noivo morava em outra cidade e depois do término, tentei engajar algo com pessoas que moravam longe... Se alguém aqui perto estava dando bola não servia, tinha que ser alguém que morava a quilômetros de distância... E é claro que nada deu certo... E só serviu pra me magoar, porque não era pelos motivos certos... Mas só percebi essa repetição depois de parar e refletir, e não é fácil aceitar que acabamos sabotando a nós mesmas... Por isso, força na peruca e nada de padrões comportamentais hein?


PS: a foto acima é de um filme francês de 1998, uma boa comédia para esquecer as tristezas da vida :)

PS2: o fato da atriz do filme ser ruiva e ter cabelo curto é mera coincidência, hahahahaha

5 comentários:

Lalú disse...

.Eu já fui muito assim de tentar manter um padrãozinho dos "tipos" de namorados,inclusive já tive minha fase e namoradinhos distantes e também não deu muito certoo :/
.Mas acredito que boa parte das pessoas já tenha passado por isso,nada que Freud não explique.

.Agora eu já aprendi: 'a diferença é o que cola'.

Anna Oh! disse...

É, Mari, como foi muito bem colocado no post, a tendência a repetição visa somente ter um contexto semelhante pra conseguir dar um desfecho, resolver toooooda a gororoba passada. E aí buscar o novo, o diferente é um 1o passo pra fugir do comum, da mesmice e do fantasma do passado. Ótimo post q só veio a acrescentar conhecimento sobre nossos comportamentos seriais... eheheheheh


Bjões, ruivona de mi corazón.

Raquel El-Bachá disse...

A tendência a repetição quase aconteceu quando houve o flashback com meu ex com quem namorei há 7 anos. Ele tem alguns dos defeitinhos que meu ex mais recente tem. Tem os olhos verdes tb como meu outro ex (eu e minha queda por olhos verdes e azuis).
Engraçado foi que na viagem de São Paulo eu vi num barzinho um clone do meu ex. Até o jeito de passar a mão no cabelo igual. Eu não conseguia tirar os olhos do moço só lembrando do meu ex.
Beijos.

Barbara Góes disse...

ficou muito bom o texto, mari...
imagina se tu tivesse inspirada então? hauahuahuha

axo q vivi algo parecido..
Meu ex namorado conheceu uma menina na internet e foi embora morar com ela. Depois dele me apaixonei por um menino que morava em curitiba, só que nunca o vi pessoalmente. Passei 2 anos amando sozinha. Todos os meus pretendentes eram da internet e qualquer um da minha cidade que se aproximasse de mim, não servia. Parece q eu tinha que provar a mim mesma que eu também poderia conseguir namorar alguém da internet. =p

Hoje, já não quero mais ninguém de longe. Mas também, é incrivel, como toda pessoa pela qual me interesso, quando vou conversar, acabo descobrindo que é de Goiás, curitiba, pelotas... enfim! Acho que ainda tem alguma coisa errada comigo.. hauahuahauha

;D

Andreas Ribeiro disse...

Pois é Mari... disse tudo no texto... tendemos a repetir o q naum deu certo antes, talvez pra tentarmos fazer dar certo dessa vez (ilusão que criamos) ou então por ser uma "zona confortável" que já sabemos como funciona... mas é total autosabotagem...

Beijos
Andy