terça-feira, 2 de setembro de 2008

Amores de uma noite


O mundo tem mudado um bocado de algumas décadas pra cá: são facilidades para se consumir, adquirir empréstimos, conhecimento, conhecer pessoas e... péra lá... será que andamos conhecendo as pessoas realmente ou só o que elas querem nos mostrar?! Uma coisa é certa, de que os relacionamentos tem adquirido uma nova configuração: superficialidade, desejos imediatistas com cara de fast food. Isso não significa que sejam menos intensos...

Quem nunca se deparou com a situação de sair com um cara em uma noite, uma noite só, e aquilo não parecer bem como um primeiro encontro???!! Sim, porque ambos agiam como se fossem íntimos há tempos... era quase o que uma amiga chama de “pagar uma de namoradinho”, mas... parecia! Algumas pessoas podem defender o ponto de vista de que, sendo assim, o primeiro encontro perde aquele clima, charme, encanto. Eu alego que, por mais moderninhos que nos tornemos, sempre buscaremos um quê de intimidade, até quando não temos. Nós tentamos descobrir o que uma pessoa é pelo modo que se veste, dizendo de longe se ela é o nosso tipo ou não... sem sequer sabermos o seu nome!

Os amores de uma noite podem sim ser chamados de amores. Amor não é só aquele sentimento sublime e cheio de fru-frus que ouvimos falar desde a infância. O amor pode ter pouca duração, de horas, de um número limitado de encontros, e ainda assim provocar sensações inigualáveis. Se durou um dia e foi bom, muito bom, te deixou flutuante, foi amor... amor instantâneo (assim, igual miojo!).

O amor, dessa forma, não satisfaz somente as necessidades carnais (uuu! Isso soou meio análise de sexólogo!), mas nossa indispensável necessidade do outro, de contato, de romance, de risadas a dois. Também proporciona a sensação de liberdade, uma vez que não há um compromisso, você não se torna “propriedade” do outro e nem ele sua.

Alguns amores de uma noite nos deixam suspirando por semanas com as lembranças, nos fazem voltar ao mesmo lugar diversas vezes atrás daquele sujeito, de outra noite daquelas... amores de uma noite nos deixam com o ego inflado, coração leve e sutilmente despreocupados.

Com os amores de uma noite pode-se fazer tudo, e até (contraditório mas verdade) nos mostrarmos mais do que normalmente nos mostrarímos para uma pessoa conhecida. Não existem tantas expectativas e, dessa forma, podemos tanto falar uma porção de bobagens quanto dar na primeira noite. Não fazemos tanta questão de impressionar, de contar vantagem os parecermos perfeitos... não existe nada muito além daquela noite.

Claro que tem o outro lado da moeda, quando um amor de uma noite não é encarado como tal, mas pulemos a parte problemática da história.

Pode ser só uma fase ou um estilo de vida, pode parecer errado, promíscuo ou coisa que o valha, mas, acima de qualquer coisa e de qualquer julgamento, todos temos vontade – casados ou solteiros – de ter uma aventura, um amor de uma noite só. Pra depois ser esquecido e lembrado...

O rosto do outro, depois de um tempo, vai esfumaçando em nossa memória. A voz, o nome, e até o que a pessoa falou. Mas isso não importa tanto, porque os flashes daqueles momentos vão e voltam.... até outra noite chegar.

Acho que esse post combina muito com uma música da Cássia Eller chamada “Um branco, um xis, um zero”: http://letras.terra.com.br/cassia-eller/44935/

*******************************************************

Ahhhhhhhh! Nós ganhamos mais um selo! Uuuu, da nossa ruiva preferida, Mariana!
Repassado com muito carinho para: S2 Engine (que responderei o Meme em breve) e Intuição Feminina .
Moças muito criativas ;)
Bjões!

11 comentários:

Quase Trinta disse...

Nem sei como vim parar aqui, mas sei q adorei o blog e o texto também.
Não consigo ficar por ficar... sair por uma noite e só. Até pq minha carência não permite isso, ficar naquela dúvida se pode ligar no dia seguinte, sensação muito estranha.

Lady Clementine disse...

Anna:
Eu estou ficando velha, sabe? Eu não acredito em amor de uma noite, na verdade, nem sou tão descolada assim. Nos meus 18 anos, eu tinha "trepê" fixo, sabe aqueles carinhas que a gente faz de gato-e-sapato e não quer compromisso? Claro, o carinha ADÓURA mas ninguém é louco de dar o braço a torcer. Ainda mais com 18 anos.
Como já disse no meu blog, amor não é micareta. Eu já morro de medo de pegar uma pereba, quem dirá de pegar um maluco psicopata (o que no mundo tá CHEIO!).
Beijos, adicionei teu blog nos meus favs, que luxo!

Andreas Ribeiro disse...

Ahhhhh... como eu te disse, acho muito válido isso e mais do que isso, pessoas podem ser importantes por minutos, segundos, por um relance e pode ser um "amor", por ser intenso, significativo, agradável!!!
Tipo uma pessoa que se encontra na rua, que rola aquela troca de olhares, aquele momento que parece que o mundo para por instantes e vocês trocaram olhares profundos, carinhosos, significativos... e que acaba com um farol que acende ou a distância que acaba e vocês se cruzam ou qualquer coisa... o importante foi aquele momento... enfim... é isso ae

Bjão Anninha

Jana disse...

Eu acho amores de uma noite tão superficiais...

Mas concordo, são intensos!

beijo

┈━═☆ Mari ·.¸¸.·´´`·.¸¸.· disse...

Quem nunca viveu isso née?
É como se aquele primeiro encontro fosse antigo, e tudo que acontece torna-se tão comum que chega a perder o gostinho de primeiro encontro. E dpois, acabam se as ligações, as procuras, e tudo perde o sentido. Torna-se um estranho, o que é comum, mas não normal.

Bjoksss, linda!!
P.S.: nem me fale em lay que sobrevivem, kkkk!
=)

Drêycka disse...

nussa... naum trocaria um amor de verdade por um de uma noite JAMAIS! Por mais intensa que seja a noite, inesquecivel ou sei la o q... Eu prefiro a constância, permanência....

Bjusss

Marie Curie disse...

Bem, eu concordo com vc Anna! amor de uma noite pode ser revelador, é pontual, busca a satisfação de um desejpo específico. É só não esperar que ele seja duradouro. Os desejos saciados são simples, e aqueles que buscam saciar outros mais complexos não conseguem. Eu já fiquei só pra aumentar a auto estima, e foi verdadeiro, embora efemero. Ajudou, nem me lembro do nome que dirá o rosto. Mas acho que é fase, depende muito doq eu se quer.

Eu acho q seu post me lembra o que eu escrevi há um tempo atrás, sobre os amores, em que muitas vezes pode-se ter carinhos maiores por várias pessoas, sem ser movido pelo desejo carnal da coisa né? Bem, sei lá... espero só que seja tudo definido antes na cabeça, pra não sofrer mais do que se deve.....

Bjos Anna! Sua sempre fã

Marie Curie

Anônimo disse...

adorei o blog..num sei como vim parar nesse blog mas adorei...
sem falar que eu passei por uma situação assim
a poko tempo..
o problema é que eu me apaxonei pelo amor que deveria ter apenas um encontro....
mas passou..e como está dizendu no post..
em algum tempo nao lembrei de mais nada..ou de algumas coisas..como o cheiro..a voz...achu que vou lembrar apenas do momento..

Mariana Valente disse...

Putz o Andreas falou tudo... Concordo em gênero, número, grau e em caps lock fonte arial 36 negrito!!! Esse tipo de amor passageiro e efêmero é gostosinho sim... O problema mora no fato de tentar alongar esse tipo de amor... E pode vir a decepção tomar lugar de td...

Ai ameiiiiii o ruiva preferida ^^
Sabem que vcs todos (tem que falar todOs por causa do Andreas haha) moram aqui oh ♥

Beijinhos

*•·• -=|KÅ®ÎÑÅ|=- •·•* disse...

Andreas quase me fez chorar... ainda bem que não estou na TPM se não...

haahahahahah

Tamy disse...

na minha época de solteirice eu tive muuuuuuuuuuuitos amores de um noite...
que meu marido não saiba!!!

haahahaha