quinta-feira, 6 de maio de 2010

O tal (presente) do dia das mães

Dia das mães tá chegando e todo ano é aquela cooouuusaaaa: comercial das Casas Bahia, Ponto Frio, blá blá blá... você pensando em comprar uma simplória blusinha pra sua veia enquanto ela sonha com um celular com nome de comida (no outro ano era Chocolate, agora Cookie, onde isso vai parar?!) cujo manual nunca será lido em vida. Há também os sonhos de consumo dos pais e mães, que englobam os lançamentos do Polishop, acoplados no inconsciente de sua genitora enquanto ela cochila no sofá com a TV ligada. De George Foremam ao Super Juicer hauahauahauahaua
O.k., os dois caminhos são: pergunte o que ela quer e prepare-se pra uma facada ouuuuu compre uma blusinha e seja feliz.
Você pergunta:
- Mãããe, o que você quer ganhar?
- Naaaaaada... não precisa de nadaaaaa... você vai gastar seu dinheiro comigo? Não precisa, você tem que guardar dinheiro pro seu futuro... você gasta muito, ainda compra com cartão e paga juros, paga o dobro com os juros e.... (yada, yada, yada)
Agora, experimente aparecer sem presente. Tente, só uma vez. Você ouvirá até o juízo final. Ou sentirá, porque quando mãe não fala, alfineta.
Cientes disso, fornecemos o tal presente à mãe. Quase sempre uma roupa que não serve e ela troca, que ela não gostou e troca que gostou, mas queria diferente e... troca.
Dar utensílios domésticos é a coisa mais arriscada do mundo, porque você nunca sabe se sua mãe anda numa vibe modernete e tratará com desprezo panelas, frigideiras, jogos de prato e coisas afim. Ela pode (justamente) dizer que aquilo não é presente pra ela, mas pra casa, e você fica com cara de pastel.
Ao aparecer com o presente, o discurso do “não precisaaaaava! Você ta gastando comigo e ...” se repete. Você escuta, discorda, dá o abraço e ela abre cuidadosamente o embrulho pra aproveitar o papel de presente.
O fato é que agradar plenamente uma mãe é a coisa mais impossível do mundo... você pode acertar uma porcentaaaagem e tals, mas sempre vai ter uma reclamaçãozinha, um fio puxado de roupa, um jogo de sobremesa tomado como inútil, uma viagem pra um lugar que não era o que ela realmente queria, um jantar indigesto no restaurante caro.

7 comentários:

Daia.BSilva disse...

Depois de quebrar a cara durante vários anos seguidos, eu resolvi ouvir o conselho dela e não gastar meu dinheiro se não for comigo ou com coisas pra mim. Além de ela nunca gostar de poha nenhuma, ela fala mal do meu presente até o do ano seguinte chegar.

Parou a palhaçada, um abraço vai ser mais do que bom!

Desabafando disse...

pior que é assim mesmo...sempre que pergunto pra minha mãe ela responde que não quer nada...rsrsrs..

Dama de Cinzas disse...

Com minha mãe é limpeza! Eu posso passar todas as datas sem dar presentes, porque ela passa todas as outras sem dar nada pra mim... Não ligamos muito pra isso, de verdade!

Bjks

Lygia disse...

EIUAHIIEIEIUHEIHEIHEIHIEHIEHUIE, é sempre assim, ano passado dei uma torradeira porque a antiga quebrou, e levei né, que não precisava e quando ela abriu fez uma cara de quem falou, "ai uma torradeira" e depois, perguntei pra ela se não ia usar, e ela falou que o presente não era pra ela, era para a casa toda. IOEJIAOEJIOAJIOJIAOJAIOIOAJIEOA, nunca conseguimos agrada-las. ;x

izáh Way Leto & Carol Sophie disse...

Eua doreii d++ Akii
Amei seu blog
HAHA
^^
Depois vê o meu e me diz o que acha
^^
Beijos
->♥<-

Flávia Batista disse...

Hahahaahahahah... muito legal o post.

Concordo com muitas coisas, mas no fim acho que para uma mãe o maior presente é a gente mesmo, a família, etc.

Então, mais que algo material, algo que os filhos podem fazer para presenteá-las diariamente é amor e carinho de filho. Acho que ficam satisfeitas. MAs nada ruim dar um prsentinho aqui, outro alim né?!

Amei o blog.

bjinss

Martha Helena disse...

Passei por aqui, li e gostei do post. Concordo com Flavia...Sou mãe e meu presente mesmo é minha família, meus filhos, de preferência, em redor de uma mesa com uma refeição não feita por mim...
mil beijos