quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Quanto você ama?

Sempre nas férias eu aproveito para por as minhas leituras em dia. E lendo um livro do Terry Prattchett, eu li a seguinte frase: "Se existe, tem que dar pra contar". O personagem do livro criava máquinas que contavam de tudo: contavam ratos no castelo, nuvens, estrelas, até a realidade.

Comecei a pensar se existia algo que não dava pra contar nesse mundo. E percebi que até os nossos sentimentos, acabamos por quantificar. Pense em você no começo de um relacionamento: a sua primeira pergunta (quando o momento é ideal, senão o cara foge) é: Você me ama? Isso serve para analisar a existência do sentimento. A segunda pergunta é: Quanto? Muito? Mais que a sua mãe? Menos que o seu Playstation?

Mesmo que não quantifiquemos em números, acabamos colocanto tudo em uma escalinha: nível de comprometimento, número de ex no passado, quantas vezes ele ajudou a lavar a louça... A minha questão é: será que, nos relacionamentos, quantidade é igual a qualidade? O cara pode dizer que te ama pra caramba, tanto que quer pegar você só pra ele, por em um quartinho cheio de lembranças dos seus encontros para que vocês fiquem sempre juntos! Mas por outro lado não sei o que esperar de um cara que diz que não te ama tanto assim. Confuso, né?

Ou quanto vamos reclamar, sempre tem um advérbio de quantidade (gramática nas férias, para que seus neurônios se lembrem do que os esperam, mmmhuahuahauha!) para deixar claro o que sentimos e para diagnosticar problemas na relação. Muito sexo, pouco sexo, muita conversa, pouca conversa, muitos minutos no computador, poucas preliminares e por aí vai. Será que não seríamos mais justas conosco se, em vez de quantificar, por qualidade no nosso discurso? em vez de : Ele lavou poucas vezes a louça, que tal ver o mérito em ele ter te ajudado? Se lavou direitinho ainda, sem usar bombril na panela de teflon, mais legal ainda!

Eu, analítica como sou, adoro por tudo em um gráfico: saber onde estou pisando é mais seguro, saber onde estou na escala de importância com meu namorado ou com a minha família. Mas isso nada mais é que uma postura defensiva e insegura (uau, catarse via post!). Essa é a minha meta de ano novo, deixar de lado essa segurança e meter a cara no mundo, ver até onde eu chego! nada mais de criar maquininhas para contar as coisas, veremos até onte esse meu entusiasmo chega, hauhauhauha!

Bem, beijos e boa sorte a todas nós! Ah, e leiam Terry Prattchett! Um dos autores mais engraçados do Discworld!

Ps: Imagem retirada de um dos sites de quadrinhos que eu mais amo: xkcd.com.

8 comentários:

¤*Daia*¤ disse...

Hahaha! Muito bom! Eu sou a total insegurança e carência em pessoa! Tenho muuuitas maquininhas de contar! Afff, absurdo! Deveria seguir o que vc propõe e pensar de outra maneira!

Quem sabe eu tento...

Bjo

ps.: agora, além de comentar, eu voltei a postar no meu blog tbm! Hahahah!

Dama de Cinzas disse...

Qualidade e quantidade podem caminhar juntos e podem nada ter a ver... rs

Eu sou mais de demonstrar em atitudes que amo, do que dizer... E prefiro as pessoas como eu...

Beijocas

Kesy disse...

Sempre dizem que qualidade é melhor do que quantidade. Sei lá. Não consigo aceitar muito isso quando diz respeito a sapatos e calças jeans...

Mas no amor, sem dúvida alguma, a qualidade é melhor. A não ser que a quantidade de amor realmente seja menor do que a sentida pelo playstation...

Beijos

Marie Curie disse...

Aí, é super difícil deixar de contar, não é mesmo? Pra complicar, pensem no seguinte: vocês preferem um ataque de beijos ou um belo beijão bem dado?

Fica a dúvida...

Bjus!

Telma Maciel disse...

Eu conto é o qto ele se dedica a mim em relação ao pouco q me dedico a ele... Mas, no geral, vivo bem com isso tudo. ACHO q naõ quantifico tanto as coisas assim... rs

Carrie disse...

euuuuu quantifico!
tudo!

Sarah disse...

insegurança feminina, ai ai ai, nossa cara, TAO nós ne? hauhaua!
mas adooooro!
beijao e otimo ano!

Laís disse...

Pois é, também concordo que isso de quantificar, do que qualificar é bem feminino, principalemnte nos relacionamentos. Eu qualifico mais que quantifico, acho que a quantidade parece mais valiosa naqueles que julgamos importantes, mas não coloco a prova de quantidade na frente dos sentimentos e pessoas. Post muito bom pra discussão! Parabéns pelo blog! beijoos